<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

5/24/2004

metas,balizas, arames e megalomanias( seguido de crónica desportiva)

descobri qual a minha nova neurose:megalomania, já escolhi .depois que o quartzo falou de um milhão para as torneiras ( a minha vénia ) e que o senhor rui almeida reiterou pedido , minha alma sucumbe ,senhores !
pois agora já nada mais almejo senão os seis milhões ,sim , os mesmos seis que ,ao que rezam as mais preclaras crónicas desse Portugal intemporal ,constituem a família de águia ao peito.
imaginei -me calcorreando um relvado esmeradamente verde ,aplaudida por fãs de bigodes endoidecidos enquanto era açoitada por intermináveis flashes.a baliza era a meta que só eu alcançaria. dois semiotas e um pós estruturalista eram os meus mais que temidos adversários.mas uma finta executada com um oximoro de perícia imbatível dá-me o comando da acção .só faltava enfrentar o temível guarda -redes, o exímio conhecedor de poesia europeia do pós -guerra, implacável com exigidades hermenêuticas.
o momento era aquele.nenhum de nós podia falhar .os nossos olhos enfrentam-se,mas avanço destemidamente e pontapeteio a mais inalcançável das metáforas!

nas bancadas há comoção generalizada .entoa-se o hino .as televisões interrompem a programação para directos especiais.em entrevista perguntam-me se a mística dos seis milhões me foi benéfica.
verto duas furtivas lágrimas e confirmo gestualmente.