<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

6/10/2004

a pluma caprichosa

há poemas que nos salva. no meu tempo de faculdade pedi tantas vezes emprestado ao Al Berto palavras. há pessoas que nos dão a conhecer poemas e poetas. a Ale deu-me a conhecer vários como outros amigos. a Clara Ferreira Alves deu me a conhecer um poema que, em certos momentos, leio. este do Alexandre O´Neill, A Pluma Caprichosa.

E o destino passa por mim como uma pluma caprichosa
passa pelos olhos dum gato
como o avião passa no céu do camponês
como a cidade passa pelo convalescente
que sai pela primeira vez
Nos olhos da mulher que não perdi nem ganhei
Nos olhos que durante um segundo me compreenderam
e amaram
na sua ternura quase insuportável
O destino passa
No amigo que é lentamente puxado para o outro lado
da razão
e um dia mergulha na sombra que trazia em si por
resolver
o destino cumpre-se e passa
na praia nocturna que as ondas visitam e deixam
como as imagens que sem cessar me assaltam e
abandonam
na espuma que esmago contra a areia muito fina
na mulher que me acompanha e comigo se perde na
noite
nos soluços de luz verde que um farol nos envia
o destino detém-se e passa
Na inesperada hora de felicidade
Vivida um pouco a medo
Como os amantes quando percorrem as ruas desertas
dum jardim
Um pouco a medo
Como a breve noite de amor em que um homem se
encontra e refugia
O destino demora-se e passa
Estou onde não devia estar
Mas basta
basta
basta (...)