<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

7/12/2004

post atrasado
ou
Uma Revolução no Mundo da Morfologia

ficou-me esquecido no mais caótico dos item femininos,a carteira, um anotamento referente a 8 de Julho;
este,salvo de uma descida aos infernos na máquina de lavar por alguns predistinados segundos,trouxe-me à lembrança o texto que lhe deu origem.o texto que me causara tão espantosa incredulidade constava de uma página de jornal que li por fortuito ou , quiçá,estranho conluio do olimpo.


na página frontispícia desse hilário jornal de notícias disserta-se das diferenças primordiais e semânticas de duas palavras de grande utilidade: e,ou ;

gostamos do pendor metalinguístico e prosseguimos a leitura.
eis qual não é o nosso espanto ao constatar que de um momento para o outro a singelíssima conjunção coordenativa copulativa ehavia sido inflacionadamente promovida a advérbio!
para o senhor jornalista cujo nome a minha inépcia não registou epassou a ser o mais novo membro dessa reputada classe que são os advérbios.
para cúmulo, o texto em que se sustenta esta radical tese está evidenciado e destacado em caixa.


concluo, pois , que depois de canas de senhorim almejar o estatuto concelhio ,é chegada a hora das conjunções aspirarem à adverbialidade!!!!!!!!



p.s.dias que se passaram ,ignoro se foi feita correcção a posteriori do erro constante no artigo,já que não sou leitora do jornal.