<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

12/04/2004

magna electrodoméstica

ad augusta , per angusta


a vida electrodoméstica precisava de uma epopeia à sua altura. sempre que olho o meu frigorífico, vejo nele um heitor que aedo algum cantou .
já a minha torradeira tem trejeitos de lavínia . pessoalmente, gosto de atentar nos roucos diários e sibilinos da máquina de lavar roupa, esse grande útero da vida doméstica, como se fosse ela própria a oracular voz de delfos .
o meu aspirador possui a determinação dum aquiles de pés velozes e a vetusta cafeteira uma fidelidade que me recorda o cão do próprio ulisses , o herói dos mil engenhos.

por vezes os deuses zanussi , candy , moulinex , e sony têm entre si contendas tais, tais e tantas que nossos electrodomésticos são levados pelo cruel destino às mais cruéis provações. o último objecto de divinal fúria foi um jovem mancebo que se incumbia da leitura de dvd ´s , actividade reprovada pelo olimpo sempre etéreo, que não aprecia a excessiva mimesis de tais engenhos.
morreu novo , como apreciam os deuses, e heroicamente entalado num filme de renoir.


não sei que musa, não sei se tágides , calíope ou clio nos poderão dar o divino furor , para com engenho , arte e alguns sonoros kilowats provermos a vida electrodoméstica de seu canto.
a maquinaria ilustre e mui assinalada, de nossas linhas de montagem descendida, por quem tanto tememos todos os blackouts, clama de suas profundezas genealógicas o canto que lhe temos vamente negado.
auspicioso seja o verso futuro , agraciado pela trindade worten , equipolar e lojas singer!

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

post fantástico! muito bom.

3:57 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

post fantástico! muito bom.

3:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home