<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

9/11/2005

as aventuras de johann, o homem-trompete

decidiu,depois de se examinar ao espelho que seria a mais perfeita imitação de trompete alguma vez conseguida. o mais difícil foi chegar ao que seria o bipedismo do trompete, porque falar como falaria um trompete, ou beijar como beijaria um trompete, isso foi fácil.
na sua família, todos se alegraram por terem um filho, um irmão, um primo e um marido com tanta habilidade para ser trompete. sabia-se que o seu bisavô,antonion migrudialitch, tinha sido um virtuoso trompetista, mas chegar a trompete, esse feito extraordinário, nunca tinha ele conseguido.
claro que johann migrudialitch não era verdadeiramente um trompete, mas antes um imitador de trompete, como não se cansava de repetir ivan migrudialitch, para desagrado da família que o achava um picuinhas da fenomenologia.
pois não sorria johann como sorri um trompete?pois não tomava café da mesma forma austera, mas polida que um trompete tomaria? pois não abria solenemente a correspondência como qualquer trompete digno de o ser faria?

ivan então cansava-se da fé semiótica da família e regressava para os seus livros.
nora isalina migrudialicth começava, no entanto, a inquietar-se. afinal, o talento de trompete do seu marido não a tinham ainda levado para os salões, não havia samovar mais rico à custa de tal talento, e nem sedas que ornassem o seu colo ou peles de marta para os rigores invernosos duma cidade como casdrinigrado.
apoquentado, johann começa a procurar fazer uso do seu talento de trompete. corre toda a casdrinigrado, mas nenhuma orquestra o aceita.

aos poucos, johann começa a achar ingrato tal talento. para quê ser um trompete, um valioso trompete, se o mundo não está preparado para aceitá-lo? e johann começa a ficar a cada dia mais sombrio, impaciente, e há mesmo quem assegure que se tratou do primeiro caso de homem-trompete capaz de chorar. só não se sabe se terá chorado como um homem ou um trompete.

ivan, preocupado com o irmão, sugere-lhe então a carreira circense, afinal quantos trompetes humanos haverá no mundo, johann?
o jovem talento, inicialmente humilhado pela sugestão, acaba por enveredar pela vida de saltimbanco e começa por correr toda a europa de leste. aos poucos, o seu sucesso vai crescendo até que chega aos ouvidos de um importante negociador de espectáculos de paris .


( to be continued )