<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

9/19/2005

coisas que eu gostava de entender

o que terá (alguma) da arquitectura contemporânea contra as árvores?

9/12/2005

Nébia não voltou # 5



Nébia não sabe que era uma geek, uma nerd, na verdade. Nébia também não sabe que está agora mesmo no Festival de Toronto, especialmente para ver a nova cópia de Pride and Prejudice.

9/11/2005

Nébia não voltou # 4



O cão witt que tem dentro de si um gato e não é animado e gosta de ficar estendido no estendal da roupa a contemplar o betão do prédio à frente apareceu, após cinco meses de desaparecimento, dos escombros de uns prédios troianos. Nébia não sabe que ele voltou. Antes do seu passeio de bicicleta, que lhe provocou a queda para desmemória, Nébia vivia sonhando com um sky dress, como este e, via, vezes sem conta, "Vertigo". Nébia nada sabe agora.
- mr. darcy!
-nébia, por aqui?
-mr.darcy!
-sim,sim, nébia!
-mr.darcy!
-humm, sente-se bem, nébia?
-mr.darcy!
-estou a sentir-me confuso...precisa de alguma coisa, nébia?
-mr. darcy!
-não seria melhor sentarmo-nos e conversar mais calmamente?
-mr. darcy!
-sim, tem razão, melhor apreciar o fim-de-tarde daqui, é isso?
-mr.darcy!
-confesso que ...estou realmente surpreso... o que tem realmente nébia?
-mr.darcy!
- bom, nébia, acho que a deixo sozinha por alguns instantes, para que possa recupar-se...com a sua licença.

ale aproxima-se, curiosa, depois da saída cautelosa de mr. darcy, e questiona nébia:

- com quem estavas a falar?
-mr. darcy!

Nébia não voltou # 3



Nébia recebe postais todas as semanas. Só que ela não sabe.

Nébia não voltou # 2



Nebia vai estar no Festival de Jane Austen. No entanto, ela não sabe que vai lá estar. Vai fazer uma caminhada até Weston, vai tomar chá no The Pump Room, vai.

Nébia não voltou



Depois de depois, ainda depois de depois, sob um céu industrializado, Nébia foi até ao parque de bicicleta. Como não habitualmente, o parque, dessa vez, estava repleto de bolas suiças, de várias cores, o que lhe fez confusão. E agora? Como chegar ao destino? De qualquer modo, Nébia arriscou e assim foi, até que a sua ginástica correu mal, estatelando-se por completo no chão. Perdeu a memória, em dois tempos. A partir daí, ela tenta voltar, só que... Nébia não está aqui. Eu não estou aqui.

as aventuras de johann, o homem-trompete

decidiu,depois de se examinar ao espelho que seria a mais perfeita imitação de trompete alguma vez conseguida. o mais difícil foi chegar ao que seria o bipedismo do trompete, porque falar como falaria um trompete, ou beijar como beijaria um trompete, isso foi fácil.
na sua família, todos se alegraram por terem um filho, um irmão, um primo e um marido com tanta habilidade para ser trompete. sabia-se que o seu bisavô,antonion migrudialitch, tinha sido um virtuoso trompetista, mas chegar a trompete, esse feito extraordinário, nunca tinha ele conseguido.
claro que johann migrudialitch não era verdadeiramente um trompete, mas antes um imitador de trompete, como não se cansava de repetir ivan migrudialitch, para desagrado da família que o achava um picuinhas da fenomenologia.
pois não sorria johann como sorri um trompete?pois não tomava café da mesma forma austera, mas polida que um trompete tomaria? pois não abria solenemente a correspondência como qualquer trompete digno de o ser faria?

ivan então cansava-se da fé semiótica da família e regressava para os seus livros.
nora isalina migrudialicth começava, no entanto, a inquietar-se. afinal, o talento de trompete do seu marido não a tinham ainda levado para os salões, não havia samovar mais rico à custa de tal talento, e nem sedas que ornassem o seu colo ou peles de marta para os rigores invernosos duma cidade como casdrinigrado.
apoquentado, johann começa a procurar fazer uso do seu talento de trompete. corre toda a casdrinigrado, mas nenhuma orquestra o aceita.

aos poucos, johann começa a achar ingrato tal talento. para quê ser um trompete, um valioso trompete, se o mundo não está preparado para aceitá-lo? e johann começa a ficar a cada dia mais sombrio, impaciente, e há mesmo quem assegure que se tratou do primeiro caso de homem-trompete capaz de chorar. só não se sabe se terá chorado como um homem ou um trompete.

ivan, preocupado com o irmão, sugere-lhe então a carreira circense, afinal quantos trompetes humanos haverá no mundo, johann?
o jovem talento, inicialmente humilhado pela sugestão, acaba por enveredar pela vida de saltimbanco e começa por correr toda a europa de leste. aos poucos, o seu sucesso vai crescendo até que chega aos ouvidos de um importante negociador de espectáculos de paris .


( to be continued )

lição de cortesia



olá urso.
não sou um urso, mas olá.
olá cão.
não sou um cão, mas olá.
olá abelha.
não sou uma abelha, mas olá.
olá hipopótamo.
não sou um hipopótamo, mas olá.
olá mamute.
não sou um mamute, mas olá.

( passado 10 minutos )

olá.
olá.

efeitos secundários de domingo

a-mon-ta
nha
cai-aqui
no-pra
to-e
dor-me
de-va
gar
pa
ra
não-a-
cor
dar-os
gi
gan-tes
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era um cata-vento.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era um.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta .
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e .
havia uma casa com uma bicicleta no telhado.
havia uma casa com uma bicicleta no.
havia uma casa com uma bicicleta.
havia uma casa com uma.
havia uma casa com.
havia uma casa.
havia uma.
havia.
havia.
havia uma.
havia uma casa.
havia uma casa com.
havia uma casa com uma.
havia uma casa com uma bicicleta.
havia uma casa com uma bicicleta no.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era um.
havia uma casa com uma bicicleta no telhado e a bicicleta era um cata-vento.

9/10/2005

eu era uma kantiana feliz

o idealismo transcendental era um poiso seguro. idiota, quem te disse para ler husserl????

five o´clock tea

a qualquer momento, é mesmo verdade, a nébia volta.
até lá, vai estando ocupada em responder a uns mails da jane austen. sim, jane austen, a própria.
e a estudar os filmes que terão feito kafka chorar.
e a fazer ginástica abdominal por telepatia.
há também quem a tenha visto entrar no pompidou de gabardine cinzenta, mas afianço que tal é falso: a nébia entrou no pompidou de jardineiras verdes e galochas.

ciência, para que te quero

e o alan relembra em comentário:
« Realmente, o grande mal da tecnologia é a sua má orientação... Já tinhamos chegado a esta conclusão quando falávamos de quanto se gasta procurando a cura do câncer, sendo talvez mais simples fazer cigarros inócuos... »

9/09/2005

ciência para que te quero?

enviamos sondas a marte, mas continuamos a proteger-nos da chuva com guarda-chuvas.

freud para gatos

a infância pode ter estádios, fixações e complexos .
a minha gata, por seu lado, tem inimigos imaginários.