<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

8/31/2004

repeat again

Vivien Leigh (Scarlett): After all ... tomorrow is another day.

para além de poema (comprimido anti-depressivo)

Apesar da ruínas e da morte,
Onde sempre acabou a ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias.

Sophia de Mello Breyner

quem escuta

em pleno coração de Manhattan, há dias, inaugurou-se um café para gatos. é Meow Mix Café. eu já estou a ver os gatos a socializar com os outros gatos e a ver televisão e a pedir variadíssimos pratos. como? não sei bem como.

agora, eu bem tento dialogar com as gaivotas para ver se entendo a linguagem delas e fico sempre a perder. ou melhor, fico sem torradas.




8/30/2004

como lista de supermercado esquecida, no livro da memória (ali,da segunda divisão)

agosto 2004

pouco mar
tempo no ralo
chuvoso
inventar a solidão
insónias
um poema de osip mandelstam
museus à noite
airport blues
um verso de ruy belo
majesty madrugada
devios para as fotografias de sebastião salgado
o movimento em falso
gaivotas azul ilhas espanha
o livro da memória
glenn gould muito alto
o túnel
cadernos e fio de norte
anjo mudo
la soledad sonora
schreiben für mich
encruzilhada
olhos bandidos
cartas
um verso de edmond jabès
a alma é húmida
náufrago iluminado al berto
uma fotografia de cartier-bresson
barcos e navios e portos e comboios e estradas
longe
um meteorito

sms

"Toda a infelicidade do homem deriva de uma única coisa: o facto de ser incapaz de permanecer quieto no seu quarto". Pascal

apontamento

-como se faz um texto espelho, quando o "eu" está mais do que perdido?
-começa-se por "ele".

8/27/2004

dramalhões,vestidos pretos e band aid

eu devia fazer uma antologia cabaret.com músicas,gestos,roupagens.adoro o clima fingido e carnal do cabaret,as histórias aparecidas,entre a fantasia e a realidade do fumo excessivo...a mim chamam -me dramática , com alguma frequência.eu preferiria operática ou cabarética,mas hélas....
esta é do chico ...

Bastidores
Chico Buarque1980
Chorei, chorei
Até ficar com dó de mim
E me tranquei no camarim
Tomei o calmante, o excitante
E um bocado de gim
Amaldiçoei
O dia em que te conheci

Com muitos brilhos me vesti
Depois me pintei, me pintei
Me pintei, me pintei
Cantei, cantei
Como é cruel cantar assim
E num instante de ilusão
Te vi pelo salão
A caçoar de mim
Não me troquei
Voltei correndo ao nosso larV
oltei pra me certificar
Que tu nunca mais vais voltar
Vais voltar, vais voltar
Cantei, cantei
Nem sei como eu cantava assim

Só sei que todo o cabaré
Me aplaudiu de pé
Quando cheguei ao fim
Mas não bisei
Voltei correndo ao nosso lar
Voltei pra me certificar
Que nunca mais vais voltar
Cantei, cantei
Jamais cantei tão lindo assim
E os homens lá pedindo bis
Bêbados e febris
A se rasgar por mim
Chorei, chorei
Até ficar com dó de mim

8/26/2004

à sofia,irmã em todas as horas

será que é desta? será que vais?que vou ? que vamos?


Smoke
Lingers 'round your fingers
Train Heave on - to Euston
Do you think you've made
The right decision this time ?
Oh ...
You left
Your tired family grieving
And you think they're sad because you're leaving
But did you see
Jealousy in the eyes
Of the ones who had to stay behind ?
And do you think you've made
The right decision this time ?
You left
Your girlfriend on the platform
With this really ragged notion that you'll return
But she knows
That when he goes
He really goes
And do you think you've made
The right decision this time?

morrissey lessons of life

( this guy just knows it all)


half a person
Call me morbid, call me pale I've spent six years on your trail Six long years On your trail Call me morbid, call me pale I've spent six years on your trail Six full years of my life on your trail And if you have five seconds to spare Then I'll tell you the story of my life : Sixteen, clumsy and shy I went to London and I I booked myself in at the Y ... W.C.A. I said : "I like it here - can I stay ? I like it here - can I stay ? Do you have a vacancy For a Back-scrubber?"She was left behind, and sour And she wrote to me, equally dour She said : "In the days when you were Hopelessly poor I just liked you more..." And if you have five seconds to spare Then I'll tell you the story of my life : Sixteen, clumsy and shy I went to London and I I booked myself in at the Y ... W.C.A. I said : "I like it here - can I stay ? I like it here - can I stay ? And do you have a vacancy For a Back-scrubber ?"Call me morbid, call me pale I've spent too long on your trail Far too long Chasing your tail Oh ... And if you have five seconds to spare Then I'll tell you the story of my life : Sixteen, clumsy and shy That's the story of my life Sixteen, clumsy and shy The story of my life That's the story of my life That's the story of my life That's the story of my life The story of my life That's the story of my life That's the story of my life That's the story of my life That's the story of my life That's the story of my life That's the story ...

8/24/2004

do futuro

enquanto ainda não há a base de dados de páginas da web, do futuro, há as do passado, desde de 1996. para entrar na máquina do tempo, passado, dar o primeiro passo aqui.

correio intoxicado de e-mails

Strindberg

«Antigamente escrevia poemas compridos / hoje tenho quatro palavras para fazer um poema / São elas: desalento prostração desolação desânimo / E ainda me esquecia de uma: desistência»

Ruy Belo

o before do next

mais neblina.

de regresso

8/23/2004

Só-Torneiras



Só-Torneiras é ....

o ping-pong do king google

O Google, o pequeníssimo motor de busca de 4,285,199,774 páginas da web, continua a sua saga simbolicamente olímpica de Atenas. Hoje é o dia do ping-pong.


perguntas de agenda

"- Parece-vos - perguntei - será feliz quem não tem o que quer? - Todos responderam negativamente. - Será então feliz quem tem o que quer?"

Santo Agostinho, in Diálogo Sobre a Felicidade, Edições 70, pág. 39.

o novo fio de ariadne



agora sim parece que há vizinhos por perto. sempre na casa ao lado, next, porque before está fora de mão.

a perseguição de Ale


Notícia que ficou out por alguns dias das Torneiras de Freud:
Ale ficou histérica quando soube que o mauzão do Malcovitch vai estar,muito brevemente (próximo mês), em Espanha (Barcelona). Pela primeira vez, o actor norte-americano encena uma peça de teatro ("Hysteria" de Terry Johnson,), em terra espanhola.
A peça conta, em tom de comédia, um encontro entre o pintor surrealista Salvador Dalí e o "pai da psicanálise", Sigmund Freud, numa Londres bombardeada em plena Segunda Guerra Mundial. A Ale ficou encantada que nem tentou pensar em nadica de nada e partiu , de comboio, logo logo para Espanha. Em perseguição do mauzão.

obs. não é nomadismo, é errância



enquanto fico a ver, não navios, mas barcos



Atacadora de torradas é uma das representantes de uma família peculiar de gaivotas além mar.


8/21/2004

prémio homem -chato do dia

para hegel com o aforismo:

todo o racional é real ,todo o real é racional

8/20/2004

edição de bolso,edição limitada

ter vinte cinco é isso, uma edição de bolso.
a história não é boa,a letra é pequena,o autor desconhecido e as capas,pobres e de fraca qualidade,quebram-se e rasgam-se.
as edições de bolso são aquelas que ficam esquecidas ,no banco dos comboios.
dos comboios que deviam sempre ir ter a paris.ou a praga.ou a s.petersburgo.
ou contigo.

8/17/2004

patéticos

recolhidos dos empoeirados arquivos das torneiras,dedicados a r.,sempre,que foi quem mais os amou:


patéticoI
sabes? gosto de ver esta estrela que tens aqui no ombro esquerdo.
miguel , não digas disparates...
está bem , eu não digo .mas amavas-me sem disparates?
não.
então tenho de continuar a dizer,para me amares.
miguel , amavas-me se eu não tivesse uma estrela no ombro esquerdo?
não .

patéticoII
tens lume?
não ,mas tenho uma alma , queres?
a tua alma dá para acender este cigarro?
dá...

patético III
abre os olhos , ou cais ...
mas eu quero é cair ...
se caires , dói ...
se eu cair adormeço deitada nas folhas...
e se eu te soprar até ao chão ?


patético IV
por que não olhas para o céu?
porque tenho medo de não acreditar mais em anjos .

patético V
fecha a porta .
já fechei .
agora dá -me um abraço que me arranque da terra.
não te demores.

patético VI
fecha-me os olhos .
assim?
mais ...
assim?
ainda não ...
mas é impossível fechar mais ... o que vês?
vejo a memória do mundo .

patético VI
se eu voasse eras céu?
ou estrela.
se eu nascesse eras ventre?
ou terra .
se eu fosse palavra eras boca?
ou poema .


patético VII
está tanto silêncio no mundo , hoje.
ouves a música?
não.ouço a tua pele.
há tão pouco luz ,nesta manhã...
vês o mar? não.vejo a tua boca .

patético VIII
se te der este papel fazes um desenho ?
se te der o mundo , foges comigo?

patético IX
onde está a lua?
a prender -te os cabelos ...
bebe-a devagar ...e beija-me de seguida.

patético X
empresta-me a tesoura.
para quê?
quero recortar teu coração .
para quê?
para o costurar no meu .

patético XI
quem está aí?
a tua sombra...
queres entrar ?
não , quero levar -te comigo .


patético XII
donde vens?
do corpo de uma mulher.
estás só? estou.
queres um ventre para nascer?


patético XIV
ele:porque desceste da árvore aquela noite?
ela:porque queria morrer na terra contigo .


patético XV
se te pedir um beijo , dás?
se eu não tivesse nascido ,encontravas-me?

patético XVI
podes ensinar-me a música?
qual ? aquela que faz dançar a faca do coração .

patético XVII
estás perto de mim? estou ...
prova-me. se fechares a mão eu caio dentro de ti .

8/11/2004

nebia `s portugal tour

devido à crise e à mui nebulosa (com o perdão da redundância que é uma senhora simpática)expulsão do quenn mary , a nossa nebia tem-se dedicado a passear turistas incidentais pelas belezas do nosso jardim à beira-mar plantado.
para tal tem usado o veículo que se segue, roubado numa noite de verão, em obscuro beco romano.
o tour tem feito muito sucesso e , ao que consta , a nébia planeia mesmo abrir uma filial!







nostalgia softcore

era só mesmo isso .olá!até !

8/06/2004



cena de "Thirty Two Short Films About Glenn Gould " de François Girard.

8/05/2004

até (post móvel)


(foto tirada do meu álbum "errância". a mais recente, dedicada à minha queda por barcos e navios)

nebia foi convocada pelo peixe silencioso de paul klee para jogar na segunda divisão, de outro campeonato. e lá estarei. até!

um poema escrito com luz, entre tantos


Copyright : Henri Cartier-Bresson / Magnum Photos


Cyclades. Island of Siphnos. 1961.

mistério dos mistérios



qual será o jogo ?

exemplos

nas gramáticas que eu conheço há sempre as mesmas frases chatas e qause sempre dos meus escritores e poetas. se encontrará uma verso do herberto helder como exemplo, algo está mal, só pode ser uma excepção de um regra sobre uma persona de estilo muito visionário. frase não é o mesmo cromo para andar aqui e acolá a ser colado.

uma coisa é certa não há nada como fazer a sua própria gramática, com as suas próprias frases exemplos.

na minha gramática, muito elaborada, tenho frases de todos os géneros e cores, como :

o blogue não é âncora nem boia de salvação.

a solidão é um endereço fixo sem destinatário.

amanhã, amanhã, amanhã.

a memória é coisa do futuro passado.



na outra casa

fui a casa passada buscar a "minha" "vespa" azul.



Les amants du Pont-Neuf














8/04/2004

1294

é a contagem actual de posts das torneiras,parte delas da minha inteira irresponsabilidade.
mas por ora, ale deixa o barbudo vienense e resolve o problema da habitação.
não é de certeza uma casa portuguesa, mas de hoje em diante moroaqui.
beijinhos e até já!

8/03/2004

contribuições de inestimável quilate para o progresso da saúde pública mundial

ontem ninguém me soube esclarecer qual a quantidade que iniciava a overdose de bombons.
hoje comunico que a overdose se inicia quando o tecto e o chão se sucedem em estranha valsa, intercomunicando tão proximamente como nunca antes.
é esse o meu estado actual.
vou fechar para balanço.

doces tempos em que havia uma maria de lourdes modesto

do livro de receitas da minha avó ,alguns recortes significativos , ou
como se infiltrou a luta feminista nas trevas misóginas do portugal salazarento:



leiam o início do texto e tremam!





mas,aos poucos, eles vão aprendendo a sagrada missão de colaborar nos afazeres culinários:

«Nem só de mar é feita a minha praia / a vaga vaga que vem vindo enquanto viva / e que fica na página na forma de palavra / palavra fotográfica de coisas» («Pequena história trágico-terrestre», I: 194) Ruy Belo

Freud também não podia deixar de ter ummuseu.
passeando pelos museus de noite. é mais silencioso.

8/02/2004

Por Que Não Também para Sophia e e Pintasilgo?

O decretar pelo Governo de luto nacional pela morte de Carlos Paredes causa perplexidade. Não porque Carlos Paredes não seja uma personalidade digna de tal distinção. É claro que é. A sua obra e o seu génio engrandeceram e enriqueceram o país e, por isso, deve ser distinguido na morte como o devia ter sido em vida.

A questão é outra. Por que razão não foi decretado luto nacional quando da morte de Sophia de Mello Breyner Andresen e de Maria e Lourdes Pintasilgo? Porque em causa estão duas mulheres? Quais os critérios que o protocolo de Estado e o Ministério dos Negócios Estrangeiros usam para decidir sobre quem é susceptível de tal homenagem? O Presidente da República não tinha obrigação de estar atento?

No caso de Sophia, o anterior Governo ainda advogou com a desculpa inqualificável de que o acontecimento coincidia com a final do Campeonato Europeu de futebol, logo as bandeiras não podiam estar a meia haste. Triste país que privilegia uma final de futebol à distinção de um dos maiores vultos da sua cultura no século XX. Pobre país que elege como desígnio nacional a vitória numa final de futebol e ignora uma cidadã ímpar, que inscreveu o seu nome na construção da democracia como deputada à Assembleia Constituinte e nunca se demitiu de lutar pelo interesse de Portugal e dos portugueses. Ignorante país que opta por berrar num estádio de futebol e não atenta na obra invulgar de uma poeta que glorificou de forma única a cultura e a língua portuguesa.

No caso de Maria de Lourdes Pintasilgo nem sequer houve uma desculpa esfarrapada para apresentar pelo Governo. Aquela que foi uma das personalidades políticas portuguesas que mais longe ascendeu no plano internacional foi ignorada no seu país tanto em vida como na sua morte.

Maria de Lourdes Pintasilgo foi a única primeira-ministra em Portugal e uma das primeiras mulheres a chefiar um governo em todo o mundo. Maria de Lourdes Pintasilgo foi a voz sábia e independente ouvida e considerada nos fóruns internacionais que de facto contam para as decisões dos que mandam no mundo, quer na ONU, quer noutros organismos e instituições mundiais. Maria de Lourdes Pintasilgo foi uma das figuras que a nível internacional - e de forma pioneira em Portugal - lutou pela paridade, pela igualdade e pela dignidade da mulher, enquanto factor determinante para a qualidade da democracia e para a persecução dos direitos humanos. Maria de Lourdes Pintasilgo foi a personalidade que se distinguiu por produzir obra, por estudar e avançar soluções para a conquista de um desenvolvimento sustentável, para o combate à pobreza e à exclusão, pela dignificação do ser humano, pela justiça social a nível mundial.

Mas foi sempre olhada com arrogância parola no país que não risca uma vírgula para as reais decisões de política internacional, e que apenas fica na fotografia porque empresta uma base militar para a realização de uma cimeira de guerra. O país que ficou embasbacado, grávido de orgulho nacional, empanturrado de brios patrióticos, porque um primeiro-ministro abandona funções a meio do seu mandato para ir presidir à Comissão Europeia.

Mesquinho país onde a ignorância atrevida é compensada com comendas e benesses e o conluio negocista e caciqueiro impera, e que ignorou duas mulheres cuja dimensão humana é maior, muito maior que as suas apertadas e ridículas fronteiras.

SÃO JOSÉ ALMEIDA
Domingo, 25 de Julho de 2004
no jornal O Público

o problema da habitação

fico de férias , em casa de verão porque agora moro aqui.

8/01/2004

Passagens de volta


cena de "Im Lauf der Zeit" (ao correr do tempo) de Wim Wenders.

Verão- o verão é a estação do transbordo, logo que o comboio ande para frente e não fique parado.

no verão, há tanto fogo no céu com em terra. no céu, artificial e alegre para alguns. em terra, real e triste para muitos.

realidade /imaginação- às vezes, a realidade supera tudo o que nós imaginamos. há dias, na rua, dou-me com três pessoas, que bem podiam ser três personagens saídas de um livro. o livro abriu e elas foram dar uma volta. primeira: um homem, com aparência norte- americana vincada, com um gravador na mão, caminhando pela rua, falando para o mesmo gravador. mistério?
segunda: um homem, descendo a rua Nossa Senhora de Fátima, com violino no ombro ,tocando, pela rua abaixo. anjo?
terceira:um homem, todo vestido à "palhaço", em cima de uma bicicleta, atravessando uma zebra. tom?

the big fish de tim burton é ainda o melhor filme que eu vi neste ano no cinema- "romancista é todos nós e narramos quando vemos, porque ver é complexo como tudo." bernardo soares

Joker ...joga-se para cima da mesa meia dúzia de histórias tristes, como se elas fossem cartas do mesmo baralho. quero acreditar que há ainda um joker, como terceiro elemento. não pode ser só dar e partir.

ainda o orkut- no lindo site de encontro de novos amigos, dos States, of course, muitas são as novas comunidades e as velhas também. há comunidade com acento no ódio para quase tudo. odeio tv ligada. odeio tv desligada. odeio cromos de futebol. odeio batata com feijão. odeio birutisses. odeio alma fria.
enfim. nunca mais finda. também há a "odeio odiar", claro. porém não dou com a "odeio terrorista".a sério que não dá para entender.

pergunta-«¿Tendré tiempo para hacerme una máscara cuando emerja de la sombra?».Alejandra Pizarnik

ai ai Espanha, Espanha- só de pensar que há uma exposição de Rothko num museu e noutro trabalhos de Bill Viola, dá me logo vontade de tomar o comboio.

Bonnie "Prince" Billy"- ando muito muito encantada com a música intimista e triste (mais um camião de adjectivos que Ale, mais conhecedora da música dele, colocaria) deste "Prince".

Science & Vie- no mês de Agosto, o tema destaque é o sexo. Na revista do Jornal de Notícias de hoje , António Dámasio diz algo que não me surpreende nada, " o cérebro é uma desarrumação". Diz mais : "Não devemos conceber o cérebro como se funcionasse por módulos. É muito mais vago que isso, muito mais confuso. It´s mezzy, it´s fuzzy...". Quanto ao Prozac, ele deixa escapar, "não é senão uma forma grosseira de intervir". quero os gelados da "Olá" logo logo como forma de intervenção. o que eu acho curioso que uma revista como esta e que sai aos Domingos, as entrevistas têm sido cada vez mais com os psiquiatras...

infinito- o infinito tem plural? se o infinito existe como um todo, faz sentido ter um plural?

conciliação impossível

o meu amigo rui afirmou que o foguete é que é a utopia !
ai, ai , a consideração que devemos aos amigos ....

um país neúrótico

espinho , domingo de procissão de incógnito santo ou santa.
sete da manhã :primeiro set de foguetes.
meio-dia:segundo set de foguetes.
das 16 horas em diante :raid de foguetes de 30 em trinta minutos , atingindo o seu clímax às 18 horas , não tendo ainda parado.
SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO


nunca irei entender esta monomania nacional com o foguete.celebração que é celebração , sobretudo de cariz religioso, tem de ter os habituais fogos.o meu cão não sai do escuro da casa de banho há horas , eu estou com os nervos destemperados, todalas aves do céu não se aquietam no vago céu.
de certeza que há muitas crianças em pânico.
de certeza também que este ano já deve ter havido um bom punhado de incidentes com oficinas de pirotecnia...
mas o povoléu gosta do estouro e da barulheira.talvez se tivessem vivido no iraque já os perturbasse...
não entendo , é arcaico .é ridículo.é uma poluição sonora sem sentido.é incomodativo.é demasiado .é incívico.
é português.

escolher a utopia

há várias comunidades on-line , com países imaginados , ilhas ideais no meio do oceano atlântico .
a primeira que vi foi a bergonia,mas decido preteri-la já que recebe anualmente muitos turistas americanos.não quero correr o risco de ter uma utopia com macdonald´s!
mas o que me deixou encantada na ilha bergonia foi a primazia dada à palavra.ora aí está um ponto a favor.sustenta-se mesmo:

No culture has held quite as passionately to the idea that the word manifested universal essence as much as the Bergonians.

The Bergonians wrote with passion, sometimes almost compulsively, with a sense of urgency, believing that they had to write. They recorded everything, whether trivial or grand. They became the world's first historians, journalists, scholars (in the truest sense of the word) and bureaucrats. Their ancient civilizations produced a huge corpus of works by means of an ingenuous variety of mediums.




mas vou continuar na busca da minha atlântida utópica.acho mesmo que vou partir, para criar eu mesma uma ilha de utopia.

utopia(s)

não , elas não acabaram e nem a história chegou ao fim ( odeio esse statement-fukuyama).
através deste link, podemos encontrar todo um acervo de textos teóricos dedicados à investigação do pensamento e tradições utópicas,todos os clássicos, obviamente,( de platão a thomas more ou hobbes), mas também aceder a um conjunto de links que incide sobre utopias , propostas de utopias contemporâneas,com comunidades on-line.
é interessantíssimo e vale a pena a navegação.estou ainda nos primeiros passos...mas já embevecida.
por exemplo,Jon Will, da Universidade de Delaware,propõe o pensamento utópico como a nossa ultimate philosophy e tem um conjunto de ensaios em que desenvolve como seria realizável a utopia humana .
e,americano que é, chega a esta fórmula que resume o seu pensamento :

A simple plan to make a dream come true:
who = humans
what = best life
where = globally
why = self destiny
when = future
how = knowledge




o pensamento utópico é inerente ao ser humano e verdade seja dita que no presente só me apetece mesmo pensar utopicamente.
tenho várias reservas,é claro...mas, mais que tudo o empreendimento teórico especulativo posto na engenharia destas utopias é-me fascinante.
e, no fundo, ser hemisfericamente repartido que sou entre o pessimismo descrente e um optimismo difuso, sinto-me muito confortável pululando de utopia em utopia...

sem mais .

moon

para além do princípio masculino e feminino :

1.pink moon,nick drake:


I saw it written and I saw it say
Pink moon is on its way
And none of you stand so tall
Pink moon gonna get you all
It's a pink moon
It's a pink, pink, pink, pink, pink moon.




2.blue moon , versão escolhida de billie holiday


Blue moon, you saw me standing alone
Without a dream in my heart, without a love of my own
Blue moon, you knew just what I was there for
You heard me saying a prayer for someone
I really could care for
And then suddenly appeared before me,
the only one my arms could ever hold
I heard somebody whisper 'please adore me'
But when I looked, that moon had turned to gold -
oh oh oh Blue moon, now I'm no longer alone
Without a dream in my heart, without a love of my own
Without a love of my own (Blue moon)




(encontrei há pouco tempo esta imagem da billie , mas é para mim das mais impressivas.a melaconlia do seu olhar é completamente inatingível)

religião

no plural é assim : acordo de manhã , é domingo , dominus dei , e o sol estala muito
lentamente na neblina marítima.
abro as janelas , todas , e entra na casa a primeira maresia.respiro-a solenemente .
misturo ao dia o inevitável cheiro do café e parto à procura.
uma amiga oferece-me um poema de maria do rosário pedreira( obrigada,inês)que fico a ler, alto.e em mim nasce o contentamento.
fico depois a ler a recitar demais amores(sophia,clarice,arseni tarkovsky,manoel de barros,ruy belo ...) e o domingo se me ofereceu litúrgico.

inquietante



fillete aux colombes , de camille claudel