<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

10/31/2003

na senda de reunir todos os conteúdos pra fazer o meu trabalho, andei a revolver todo o caos dos meus papéis e, tropecei num texto que me deixou mesma emocionada. às vezes, tenho destas alegrias, destas surpresas. o texto é do antónio lobo antunes. e já lhe dei título "espero por ti no meio das gaivotas".
vejo por todo lado
eu vou. eu vou. eu vou. eu vou. eu vou.
e eu? eu vou?
eu quero ir. só que ainda é tão cedo e até lá, muita água corre.
a RTP 1 passou o rock in rio II, pela noite adentro, em 91. vi e gravei.
bem, se me desse ao trabalho de procurar a k7 certamente só encontraria a actuação dos inxs, do michael hutchence a cantar "Are you ready for a new sensation /a new sensation/ right now".
e outubro passou

10/30/2003

olhó nobel de novo !

às vezes tenho ideias destas .os meus alunos estudam o reinado de d.joão V.então resolvi levar uma edição de o memorial do convento e falar -lhes ,muito por alto, do livro . eles já haviam visto imagens da passarola and so on.
mas resolvi fazer suspense.
-sabem o que é um nobél?
-siiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!
-sabem que ha um nobél para a literatura?( talvez daqui por muitos anos eles descubram que isso de nobél da literatura tem tanto que se lhe diga .a maioria já ninguém sabe quem é , mas adiante...)
-e sabem , crianças e crianços, quem foi o português que ganhou o nobél da literatura?( usei «ganhou» e acho sempre que eles pensam que é algo como ganhar a taça uefa , mas sempre em estocolmo rs ) .
responde um aluno :

- esse é aquele senhor ateu que aparece na televisão , professora ?
o prazer de nao cumprir um dever
( e não , não se assustem , eu não vou citar o álvaro de campos , aqui quem cita é a nebia rs)

adoro quando não faço nada do que tenho para fazer.são os momentos mais felizes da minha vida .aqueles em que se abre entre mim e a vida um quase hiato , logo preenchido pelo sonho, pelo devaneio.
é nessas alturas que estou mais dentro de mim . quando sinto , vendo cair as folhas das árvores, como se fosse de mim que elas caissem.

eu ,se pudesse, tinha um único dever na vida : não ter qualquer dever .


( será que virei anarca ? rs )
dez regras para sobreviver ao serão e ao temporal

1.manta escocesa pelas pernas ;
2.stan getz no stereo;( ou algo melancolicamente tropical )
3.uma refeição aconchegante ( pode ir desde rojões até a algo vagamente pós moderno como tostas com um queijo serra , seguido da fabulosa sobremesa de duas wafers de chocolate);
4.cálice de porto , para o serão;
5.romance russo ( um clássico , com menos de quinhentas páginas não vale ) porque já que é para ter frio, que pelo menos seja em s.petersburgo! ;
6.alternar com poemas lidos ao longo dos anos e que sempre trazem aconchego ( estou a pensar em yeats , especificamente, no momento , mas há 546 outros poetas e poemas possíveis)
7.uma pilha de chocolate por perto , para qualquer emergência;
8.a fotografia de um amor .se não o houver substituir pela foto de john malcovitch em the sheltering sky ;
9.incenso e muitas velas ;
10.interromper a música , ouvir o vento que silva sem parar, o lume da lareira se a houver , respirar bem fundo e esperar pelos braços que nos trarão a suavidade dos fins de tarde em julho.
eu tinha uma amiga virtual brasileira que me dizia sempre que se lembrava de mim quando lia o drummond ou sobre. nunca entendi muito bem porquê porém, há frases como esta, a mesma que penso neste preciso momento:

O problema não é inventar. É ser inventado hora após hora e nunca ficar pronta nossa edição convincente."
Carlos Drummond de Andrade

até agora nada do que estava estipulado a fazer, fiz. socorro!! pior é impossível!!
estou completamente out, que o meu pensamento não se faz mesmo.
e venho pra internet pra voltar a ficar alienada, só pode. e bastam meros setes segundos pra eu fazer o segundo clique, o terceiro, ... e estar noutro sítio qualquer.
é impressionante, mas é verdade!

e as minhas ideias-meteoros não passam pela minha cabeça!!! help!!!!!!!!
outra manhã. desco as escadas a trincar mais uma maça. levo comigo sempre o
discman, pois eu não sou narcisista e não quero ouvir, mais uma vez, a minha voz.
(eu falo alto pra o meu mundo interior.eheh). tenho a voz de beth gibbons (que adorooooooo completamente) e este out of season que adoro a tocar nos meus ouvidos, na minha cabeça. como adorooooo este álbum.
chego a paragem de autocarro. observo todas as pessoas. o autocarro que me "recolhe" leva-me em dez minutos à sala vermelha. outra manhã à frente da luz branca do computador. a mesma.
está um friiiiiiiiiiio de rachar pedra!

os blogues são giros , porque os blogues são inúteis .
apeteceu -me dizer isto depois do meu último post .
brrrrrrrrrrr , que frio !
minha mãe adorava esta música e ouvi-a sempre que chovia .às vezes tentava cantá-la e sempre saía fora de tom, mas nunca ninguém a cantará tão docemente( mais doce que toda a doçura naive da própria música) :


Chove Chuva
(Jorge Ben Jor)

Chove chuva, chove sem parar
Chove chuva, chove sem parar
Pois eu vou fazer uma prece pra Deus nosso senhor,
Pra chuva parar de molhar o meu divino amor
Que é muito lindo, é mais que o infinito,
é puro e belo inocente como a flor

Por favor chuva ruim, não molhe mais o meu amor assim
Por favor chuva ruim, não molhe mais o meu amor assim
extra ! extra!

blogs auxiliam judite em investigações policiais !
( um exclusivo de pedro rolo duarte)



esta será a notícia de todos os media amanhã de manhã , bem cedinho.
mas o torneiras de freud antecipa-se e divulga em primeira mão:

de há uns cinco meses para cá , a judite havia iniciado investigações para encontar o paradeiro do último representante dos legítimos monstros nocturnos ( noturnos , segundo a grafia local, ou seja, sim , trata -se desse território onde as pessoas podem , a qualquer momento, cruzar-se com os ex-residentes fátima felgueiras , padre frederico e lili caneças[ parece que ainda não com esta última ,segundo nota da redacção]).
acho que me perdi no comunicado.
bem , o certo é que eu , ale condessística , fui a única em território nacional a dar com esconderijo do monstro .
posso asseverar-vos que não foi fácil ( afinal , estamos perante um sub -speciae saltitona do género monstro ) , e ele gritava : tu não sabes nada , tu não sabes nada !
mas tudo fica bem quando acaba bem.
para os interessados , este é o esconderijo do monstro:
cara judite ,

ao que consta, a nossa companheira bloguística , de seu nome nébia , tem vindo a receber , nos últimos dias , encomendas que suscitaram as maiores suspeitas das entidades judiciárias competentes .
assim sendo , desde já aproveitamos para nos ilibarmos de qualquer associação com as estranhas actividades ociosas levadas a cabo pela nossa companheira e mentora espiritual bloguística .
disponibilizamos também nossos préstimos para futuras investigações , escutas e disfarces variados.


my nat


abro o blog e ...sim , é ele , nat king cole...surpresa da nébia.
eu simplesmente amo o nat king cole.lembro-me de sentar no colo do meu avô e de ele se reclinar , ouvindo -o.ele fechava os olhos e eu espantava -me com o poder de uma voz , fechando os olhos do meu avô.

mais tarde , já meu avô era falecido, redescobri nat.
um texto sobre ele está prometido.


mas hoje , o vento assobia e dança e assola as janelas do meu quarto andar , o mar que avisto da janela e um cobertor depois de domingo de preguiça ,e a doçura chegou pela voz de nat.


outra voz que amo , amooooo , billie holiday , tem uma outra música ao outono e à única cidade em que o outono é mais do que uma estação , new york.a música (surpreendentemente ! ) chama -se automn in new york e é linda!
deve ser acompanhada pele mão de quem se ama , taça de monte velho e a mais doce nostalgia .

10/29/2003

e qual é a palavra para dizer plena de mar?
pedido de resposta

qual será a palavra mais parecida com mar?
( e sei que ela está nos teus lábios...)
houve um tempo em que eu que deixava pra trás os filmes que davam por volta da meia-noite, na RTP 2. nao ficava em casa por causa das fitas de bergman, nem de bunuel, nem de fassbinder... pois, Johnny me telefonava,  as nove em ponto e, dizia sempre: "quando é que chegas aos Maus Hábitos pra nos trocarmos mais delí­rios?"
eu pegava no meu honda wave e abria caminho. conduzia, devagar, ao longo da marginal e, sempre a calcar os trilhos do eléctrico. levava quase sempre um rádio portátil enlaçado ao cinto e assim, quando fazia uma ultrapassagem, la ia eu pra outra frequência. entao era a Monica Sintra a ser ultrapassada por Beethoven. chegava aos Maus Hábitos e uma luz afiada estatelava-se aos meus pés.
nunca sabia o que beber. na verdade, embriagava-me com o olhar de Johnny, enquanto outros o faziam com o vodka.
(os delí­rios eu nao conto. eheh corto aqui o plano seguinte).


10/28/2003

uma queda pra a nostalgia



há pouco tive quase um treco. há muito muito que não ouvia "falling" de julie cruise. claro passou no canal pra os velhotes, vh1, onde mais?? esta música fazia parte da banda sonora da série twin peaks. eu não perdia aquilo por nada. ai my gods os olhos de agente Cooper.

falando agora com um amigo pelo yahoo messenger, fiquei a saber que ela vai ser reposta na sic radical. que seja depois da meia-noite, pra depois sonhar eheh e acordar e discutir. pois discutir com. bem
sampaio à selecção!

sampaio , alguns ecos : temos de jogar ao ataque , não podemos jogar à defesa!

scolari à presidência!
great expectations


o dia promete: reparei que a última planta daqui de casa acaba de partir para o éden vegetal , algures na holanda segundo creio .

o café que eu devia ter bebido , na verdade , quem o bebeu foi a minha camisola .

e agora vim postar .senilidade?peut -être!

i m late!!!!!!!!!!!
the show must go on!

10/27/2003

big brother is watching you!

-o que estás a fazer?
- a seleccionar um excerto para o teste de língua portuguesa.
- não te preocupes , usa um excerto do big brother !

e assim se deprime uma professora de português.mas isto agora não interessa nada .
há pouco, enquanto fazia estragos na cozinha (eheh), deixei a tv ficar no canal sol pra a coisa não ter mais danos sonoros... pela primeira vez, posso dizer que gosto dos the white stripes por causa de uma música, desta "I Just Don't Know What To Do With Myself".
ontem sonhei que tinha ido com o johnny àquela gelataria da rua de ceuta. a chuva fustigava por completo as janelas. as nuvens estavam mais pesadas do que nunca. por detrás daquele vidro daquela gelataria, estávamos os dois a comer um gelado de canela ( deste pormenor me lembro...) e com...já não sei muito bem mais.

não foi sonho. mas quando é que foi isso que já não me lembro???

há quem vá só a rua de ceuta ver a montra das novidades da Leitura ou tomar café e comer um pastel de nata naquele café que tem um telefone em cima do balcão.
eu prefiro a gelataria.
ouço. a profundidade das feridas nas palavras tem a profundidade do mar. tem o ritmo de duas vagas. a primeira vai dar ao riso que depois, se quebra noutra que vai dar a tristeza. dois tempos.
tem uma frequência de água, quase a rebentar, por detrás dos olhos, mas vai fugir, de novo, antes da onda se espalhar. que pensamentos-estanques serão esses?

10/26/2003

Quanto custa um noivo?

(ou quem quer casar com a carochinha , uma deambulação pelo mundo multicultural português)


está aqui tudo .é o fim das mulheres encalhadas.diz o jornal diário de reputação :

O preço vulgar por um noivo português será de dois mil euros. Mas ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) já chegaram informações de consortes que receberam cinco mil, adianta o chefe do departamento de Investigação, Joaquim Pedro Oliveira.


é pá , já andam a fazer especulção ? a aumentar os preços ? então onde está a deco?
o nosso nobél sabe o que quel !


eu é que fiquei atordoada.esperava uma metáfora melhor do nosso nobél.sobre a casa pia :


"O que se passou com os alunos da Casa Pia é realmente grave, e tem de se resolver, tem de se investigar ao fundo para acabar de espremer este furúnculo".

furúnculo??????
o deuses !
adeus lenine?


a gente até sabemos que domingo e dia xoninhas .há poucas notícias e so on ....mas seria mesmo preciso isto ?


referência ao local , à efeméride :
Carlos Carvalhas, no final de um almoço comemorativo dos 60 anos das greves de 1943, em São João da Talha, Loures.

( já podia estar tudo dito , não podia???) mas não , para leitores mais incautos , a peça explica detalhadamente :

Para o secretário-geral do PCP, a "destruição do aparelho produtivo nacional, a crescente subcontratação da economia portuguesa, as privatizações, falências e encerramento de empresas" põem em causa a independência e a soberania do país.

"Quem deve mandar em Portugal são os portugueses e não os franceses ou alemães", disse, esclarecendo que a posição do PCP "não é nacionalista, mas sim patriótica".

viva o cassete carvalhazzzzz !!!!!
que quida quela ê!

se não leram , podem ler ainda ...mas não percam ...rubrica meus livros ( in mil folhas) entrevista rita ferro .
que coisa tão fofucha .fiquei com vontade de adoptá -la.aproveitem e fiquem a saber o que são « pilhas periclitantes » e que na biblioteca da ritinha há mais poesia e ficção , assim como na sua vida , assevera a própria.
não acharam quiducho? ai , eu amei !
entre outras notas surpreendentes a reconhecida publicadora de material impresso confessa -se «irrequieta demais para permancer muitos dias no memso registo» .se eu fosse o carlos castro , eu poderia fazer alusões a indícios poligamicos.
mas há mais material de interesse : os mais curiosos podem igualmente ficar a par do último livro oferecido pela nossa ritinha que , segundo síntese da própria , relata a história de um amor proibido no paquistão.é tão tranquilizador saber disso .podíamos ter um colapso : sei lá ( ops rs rs esta é da concorrência ) , imaginem que a nossa ritinha se tivesse passado e começasse a ler pra aí a llansol.corrore !

boa ritinha .tamos consigo quida !
mas quem são os iluminados que resolveram fazer uma versão de uma música dos violent femmes? por favor ...corrore...

alguns atrevimentos correm mesmo mal .música é território de variações , mas haja paciência .

e prometo que acabo de pingar sobre música , até porque eu não sei de nada mesmo .

terapia por eletrochoques : i still belive
(ou como uma doudice de domingo pode fazer realmente um bem prozaquiano à mona )


continuo ( masoquismo) com a rádio ligada .eis senão quando , taram , muse : time is running out .não me importa mais nada , mas aquela música é -me um estimulador de neurónios .
rádio muito alta .paredes em estado sísmico.eu em febre a colar a minha laringe aos décibeis da música.



e pronto , mais um pingo inútil.isto sim é desperdício de recursos naturais .
se saísse hoje, certamente, desceria a Rua da Nossa Senhora de Fátima (ali mesmo ao lado da casa da música. pois é, quem vai lá parar pra ouvir as grandes óperas de verdi e blá blá. cada um com a sua "religião" . eu dispenso por completo também a casa da música. agora se me falas em casa do cinema (não aquela do senhor manoel de oliveira em que só vai lá a senhora agustina pra ver os filmes da greta garbo e do peter greenway. essa também não.) e entrava no Pingo Doce. compraria um pacote de bolachas. mania moderna a minha. desculpa talvez pra falar com alguém, com a menina que está na caixa, talvez. já sei que ela é estudante de enfermagem e tem o pai doente. não sei o que lhe dizer muitas vezes. na hora que eu lá passo, vejo quase sempre raparigas dos países do Leste a ver o tal quadro de anúncios. uma vez, apercebi -me que uma das raparigas estava atrás de mim, com um olhar muito triste. tinha o porta-moedas aberto e com os olhos fixos no sorriso do filho.
deambulações de uma ignara pelo hip -hop

acabei de ouvir um hip-hop com pronúncia açoriana .adorei .o estribilho diz: «eu não vou chorar / esta vida não era para mim ».uau .
começo de repente a perceber tão melhor meus alunos .
e apeteceu -me ser tão mais benévola .
Fiat Lux


eu podia dizer mais , mas não digo .melhor , eu nem posso dizer mais .

esta noite tive um sonho .senhor freud , help .mas nesse sonho a casa da música era o estádio da luz e havia um melómano a comer partituras ...
aos domingos fazia um périplo pelas livrarias. agora elas estão fechadas.
(ah tirando a fnac. pois é)
a cidade está lá fora, mas a vontade é abrir um romance e caminhar noutra cidade.
(na cidade invisível de italo,...)
há pouco fui longe, fui até itália. descobri agora o canal travel e ninguém me tira este passaporte de viajar pelo "go 2".

se alguém me volta a falar da catedral, eu puxo da pistola!

é mesmo assim. estava eu muito bem a ver o "processo" absolutamente encantada com a mestria do orson welles, embebida com os olhos kafkianos de Anthony Perkins (ai ai) e o rosto da Jeanne Moureau... até que alguém entra de rompante , na sala, a dizer "dá-me o comando, vira pra a tvi". e pronto, lá virei eu ( que remédio!) pra o lindo canal e claro, lá fiquei por instantes a ver o que se passava realmente. pois pois. a linda inauguração do estádio do Benfica. vejo um dos nossos ministros a escrever na parede dos autógrafos a linda frase" o benfica é (um)a paixão." logo depois pede a senhora jornalista pra explicar o porquê de ser definido e indefinido. (eu quero sair deste país!! eu quero um mala já!...bem nem é preciso). mas mas lindo lindo foi ver depois um dos adeptos ferrenhos deste lindo clube a dizer " agora vou ter um gesto pelo benfica. vou me ajoelhar. vou beijar este relvado e comer um bocado de relva." se isto não é fanatismo, não sei o que é. bem, ontem vimos o lindo banquete de luz, quero ver daqui pra adiante como vai ser. vejo muita coisa escura."vem aí dias difíceis".
viva o hip - hop

o domingo até prometia ser um bom domingo.o sol quase enlanguesce pelo céu .os quadros de el greco , vistos no site do moma , deram uma alegria extra ao dia internacional da preguiça.e até o café matinal , praticamente vespertino , estava na temperatura ideal .
aventuro -me por uma deambulação pelas rádios matinais .estaciono .começo a ouvir som de hip -hop e antes de poder fugir a tempo páro .
a dúvida instala -se .não pode ser .é uma alucinação auditiva .páro .escuto .e de novo .então era verdade.eles disseram mesmo a gente podemos ( confesso que me falha agora o verbo, mas era podemos , ou fazemos , ou algo assim) .

a gente ficamos horrizados !
cada vez conheço mais pessoas que apresentam o seu sofrimento ou dor como cartão de apresentação ou visita. e mais do que isto, exigem sempre que nós os vejamos na dor superiores. "olha pra mim, eu sofro mais do que tu."
eu afasto-me dessas pessoas, porque estão a marimbar pra o outro.
é verdade que quem sofre realmente, nem o seu pensamento se faz, em condições.
(lembro da la douleur de marguerite duras.)
tudo poderia ser muito mais simples. é verdade.
eu tinha um amigo que me dizia sempre que eu só funciona realmente à noite. já não sei que pessoa escreve aqui. há sempre uma hora, na noite, em que o chão se abre e caio num poço, num vazio. sim, é muita coisa na minha cabeça a flutuar.
neste momento, só tenho o eco do rádio longe.

cavando mais fundo- descobri que a profundidade dos encontros, vestígios dos corpos, os rostos, os olhos (que não se esquecem), bocas - deixam em mim uma sede maior.
a fome de outra história por começar aumenta.
e, no entanto, não me lembro de versos, nem de canções, nem de filmes.
só me lembro de dizer "ajuda-me a viver".
leio a teoria dos psiquiatras sobre lutos e perdas. penso a dor e o sofrimento.
para quê mesmo?parece ser tudo tão inútil.
parece que seremos as personagens secundárias face ao sofrimento dos outros.
(e fica muito mais difícil, quando sentimos que já desistiram de nós.)
parece, por vezes. é tudo tão triste!

10/25/2003

há pouco voltei ao meu caderno negro e li algumas palavras que juntara ontem.
dei mais alguns passos pra dentro e cavei bem fundo.
não sei até onde levarei esta história.
e ainda tenho comigo as últimas frases escritas:
despertou na estação da Granja. lembrou o sonho por instantes. mas não o disse pra si. abriu ao acaso um livro de poema e os seus olhos fixaram dois versos: "das coisas mais longínquas da terra/ é a boca que nos beija".
está a fazer-se cada vez mais tarde,
pedi de empréstimo estas palavras ao antónio tabucchi.
é só agora consigo dizer e ao mesmo tempo escrever uma palavra.
um longo dia solitário.
The End

« Agora , é tarde demais , será sempre tarde demais .Felizmente!»

assim termina la chute
« Sei bem que não se pode passar sem dominar ou ser -se servido .Todo o homem tem necessidade de escravos como de ar puro .Mandar é respirar , não é desta opinião ? E até os mais deserdados chegam a respirar .O último na escala social tem ainda o cônjuge ou o filho .Se é celibatãrio , um cão .O essencial , em resumo , é uma pessoa poder zangar -se , sem que a outra tenha o direito de responder.»

Camus , la chute , pag.52
Fornicava e lia jornais

«Demora -se muito em Amsterdão? Bela cidade , não acha? Fascinante? Eis um adjectivo que não ouço há muito tempo .Precisamente desde que deixei Paris , já lá vão uns anos.Mas o coração tem a sua memória e eu nada esqueci da nossa bela capital , nem dos seus cais .Paris é uma autêntica ilusão de óptica , um soberbo cenário habitado por quatro milhões de silhuetas.Perto de cinco milhões , no último recenceamento ? Está bem , devem ter feito meninos .Não me admiro .sempre me pareceu que os nossos concidadãos tinham duas paixões: as ideias e a fornicação .A torto e a direito , por assim dizer .De resto não os condenemos ; não são os únicos , é assim em toda a Europa .Cismo , por vezes , no que dirão de nós os futuros historiadores .Bastar -lhes -á uma frase para definir o homem moderno : fornicava e lia jornais .»

camus , la chute , pag.9
e como mais houvera , la chute toma amsterdão como cenário , minha cidade fetiche .uma delas , pelo menos .geografia do impossível.
« quando se meditou sobre o homem , por ofício ou vocação , acontece-nos sentirmos nostalgia dos primatas» , camus , pag .6 , la chute ( a queda )
Camus

a minha edição de a queda ( la chute , como tanto me apraz dizer ) é da livros do brasil , duma colecção interessantíssima intitulada colecção miniatura .este livro pertence ao vasto lote do homem mais culto e generoso que conheci .ele chamava -se sílvio e por causa dele a minha mãe chamou -se sílvia.ele era meu avô e hoje tenho parte da extensa biblioteca que era a dele.
na infância eu trepava cadeiras para alcançar livros das estantes da biblioteca do meu avô .li muita coisa na altura errada.só pelo pedantismo de ler .pelo prazer de nada perceber , também.
todos os livros da estante do meu avô estão assinados na página 51.uma caligrafia perfeita que por muitos anos imitei inutilmente.
hoje , por causa da nebia , fui buscar la chute , legado da biblioteca do meu avô .
percorro estas páginas que se tornarm minhas ao longo dos anos .elá está , página 51 , sílvio.
eu sei , avô , que isto que sou hoje é parte de ti e dos livros que me deixaste e também percorreste com as mãos amareladas do cigarro que nunca largavas.
estou de mal com o mundo .
está frio de mais , o chá não tem o mesmo sabor de quando a mãe o trazia , o corpo faz-se sentir muito além do que é necessário .gripe.doença febril , muito contagiosa , epidémica , de duração curta ( parece que já lá vão meses) , tambem denominada influenza.
para mim a gripe é algo como diz o álvaro de campos da constipação , estar gripado até à metafísica.

volto para s.petersburgo.para rashkolnikhov.
hoje
assim
como um grito por dar
(já que a carlota está em digressão. e ela não gosta muito deste blá blá. vou aproveitar. prometo que é o último furto eheh)

"Beijar teus olhos será morrer pela esperança." herberto helder

beijar tuas mãos.
ontem ouvi vezes sem conta "minha cabeça estremece". não sei de quê profundezas herberto helder foi buscar este verso :"Tudo morre o seu nome noutro nome. " e como ele diz é
já tenho banda-sonora pra este dia: wild is the wind
cantada pelo david bowie.
sim, houve um tempo. também um tempo de perturbação.houve um tempo em que eu lia os teus versos, os teus poemas, baixinho, numa uma espécie de reza. (não ignorava, duvidava e adorava).hoje eu sou uma ruminadora. sei como tu afias os versos como fossem lâminas. queria eu que fossem somente palavras numa folha de papel. mas não são. são palavras de sangue e de respiração.
e abeiro-me do poço em que desces.

(poço não é bem a palavra certa. e cave também não. mas já que as torneiras são de freud e, ele é um senhor de cave. então fica cave.)

antes de adormecer, tento entrar dentro de um quadro mais longe possível e assim levá-lo pra o sonho ou pra pesadelo. desligar-me da realidade exterior sempre foi o mais difícil pra mim, porque não consigo dormir...
não consigo contar mais histórias e cantar muito menos. por isso inventei este modo. (talvez seja por isso que eu tenho o mar tão próximo da retina,....)

hoje é este que levo...., sem nenhuma razão explícita.



E.Hopper

10/24/2003

"Eu quero gritar paralém da loucura terrestre. "
herberto helder
Carlota encontra-se em digressão.
espero que ela volte rápido, porque já tenho saudades dela. (eheh)

há dias caiu-me dos braços "a queda" de camus,
aproveitei pra apanhar esta pergunta:
"que fazer para ser-se um outro?"

ontem sonhei que alguém me esperava , à porta do teatro, no meio do nevoeiro.
não consigo.
às vezes, pra não dizer muitas vezes, não uso as palavras mais próximas do que está a passar na minha cabeça.
falar não é só sujo, como também é delirar.
tenho cada vez mais certeza disso.
ontem fui ouvir o mar, ao fim da tarde.
não tenho mesmo palavras pra o interdito.

10/22/2003

tenho uma maré de lágrimas a chegar-me aos olhos que depois recua.
ontem disseram-me que era uma péssima companhia.
acenei que sim e disse-lhe que desconhecia a filosofia da futilidade.
vou entrar na onda. vou sofrer pra fora.
hoje a minha transcêndencia chamou -se diogo bernardes :

Que doudo pensamento é o que sigo
a pos que vão cuidado vou correndo ?
Sem ventura de mim , que não m `entendo ,
nem o que calo sei , nem sei o que digo .

Pelejo com quem trata paz comigo ,
De quem guerra me faz não me defendo .
De falsas esperanças que pretendo?
Quem do meu próprio mal se fez amigo?

Porque , se nasci livre , me cativo ?
E se o quero ser , porque não quero ?
Como m`engano mais com desenganos ?

Se já desesperi , que mais espero ?
E s´inda espero mais , porque não vivo
esperando algum bem em tantos danos ?


( o que eu amo diogo bernardes!!!!)
As Minhas Aventuras na Auto Feirense

banda sonora de hoje :amália seguida de ricky martin, ou como a esquizofrenia chegou aos transportes colectivos de passageiros !
Escândalo Linguístico Hodierno

no meu dicionário não consta francesinha !
e steiner de novo ....a páginas tantas deparo -me com esta expressão ...está descontextualizada ...não anotei a página sequer ...pornografia da insignificância ...

e de repente passo a usar esta expressão amiúde.
-Sêtora não fiz os trabalhos de casa porque não me apeteceu !

Já não há desculpas como antigamente .
E o prémio vai para a sinceridade?
e sabes quantas palavras ha em russo para descrever as nuances da neve?
às nove, lá estou à frente de um computador a tentar salvar o meu video do banal, do hollywoodesco, do feio.
(eu especialista em inutilidades,.... isto vai mudar..)
no entanto, a minha vontade era cortar, era deletar por completo tudo e correr pra Serralves.
altero o cenário e perco-me a misturar sons.

se uma pessoa me desse a ver uma história em palavras pra pensá-las em imagens.
aguardo.
sabes, há duas palavras pra dizer azul em russo?
chagall quando olhava pra o céu, tinha que decidir que o azul era e escolher a palavra.
sei que o amor é um trabalho obscuro, com muitas dobradiças pra fora e pra dentro. é necessário sujar as mãos. não ficar retraído, senão não acontece nada interessante.
e, ao mesmo tempo, é necessário encontrar a distância correcta entre as pessoas. demasiado perto, e elas soterram-nos. demasiado longe e abandonam-nos.
como é que as conseguimos manter na relação correcta?
sabes onde a cultura me levou ontem à noite?
a lado nenhum.
dou voltas, mas ainda estou no mesmo ponto morto.
não durmo,porque a dor não dorme dentro de mim.
não consigo manter à distância da minha solidão nem da ansiedade.
quanto à neurolinguística, abreviando PNL (programa de neurolinguística) não usei ironia turvada,nem direccionada aos intelectuais locais, quando disse o que disse.estás redondamente enganada. tentei dizer que umas das práticas da PNL é o movimento dos olhos, pra direita, pra esquerda, etc...se me dou numa de mestra, sei lá, ao explicar o que é, sou criticada, por sê-lo. se não sou clara e assertiva ao estender por extenso o significado de um novo conceito, etc, sou criticada. não sei. enfim!


o.k não farei o meu livro de passagens à benjamin, pois é muito ruído.
embora tivesses muito distante de mim,
tiveste um gesto muito bonito comigo,
no último sábado.

senti que ainda és capaz de me olhar como se eu contemplasse o mar.
para ti ,

as noites estão grandes e o vazio torna a pele um mundo maior do que o contornável .digo o teu nome e quero que disso a noite se abra e a minha língua conheça o mar.
ouço -te como se tivesses nascido do meu fechar de pálpebras.
preciso de sentido como da minha respiração.

"há um amargo de boca na minha alma"
álvaro de campos, poesias



"cada vez me dou conta de que a maneira mais profunda de penetrar num ser ainda é escutar a sua voz, compreender o próprio canto de que é feito"

Marguerite Yourcenar, De Olhos Abertos,p 51.

(já tive o momento de presunção e pronto.)


10/21/2003

"Encontrei uma verdade, sentia-a com os intestinos!"

Álvaro de Campos, Poesias
« A linguagem existe , a arte existe , porque existe o outro », George Steiner , Presenças Reais , p.127

( este post é só mesmo para provar que não leio só tratados de quiromancia olé)
fazer 25 anos levou -me a conclusões interessantíssimas sobre a realidade sociológica nacional.uma delas : ainda há quem dê os parabéns pelas 25 primaveras.e não , não foi com qualquer intenção cómica.sério.
a minha leitura mais científica dos últimos quinze anos é um livro de quiromancia :aprendi que há uma linha na mão chamada «forquilha de escritor».
era uma esplanada à beira -mar .
uma amiga salvava outro da perdição , de uma forma bela e tranquilamente banal . duas crianças pedindo esmola . outra vendendo pensos .e nenhuma das duas amigas concedeu aquela esmola.
sem filosofar sobre a questão , a única coisa que quero registar são as unhas sujas e os olhos rotos da última criança que passou .
o que diria o al berto se visse o seu rosto a vários cores nas paredes de uma rua?
-hello stranger!
-hello stranger!
ontem ninguém me perguntou "como correu o teu dia?".não marquei na minha agenda uma tranfusão de ânimo pra os próximos dias. não comprei nenhum livro de neurolinguística.fui ter ao de profundis do oscar. gravei o abraço mais perfeito de dois naufrágos. ouvi mais uma história triste. sonhei em ir pra estocolmo jájá. e, no fim do dia, disse pra mim pra mim:"ah seja como for, seja pra onde for, partir" / largar por aí fora, pelas ondas, pelo perigo, pelo mar./ Ir pra Longe (...)".
eu hoje também descobri uma nova forma de solidão.
você tem zero mensagens não lidas.
nem somente um um entre parêntesis.
que hotmail mais frio.
um vazio que vou correr à velocidade do clique clique.

10/16/2003

10/07/2003

eu sou o que eu ouço.
nós somos o que ouvimos.


Twenty-Four Hours


So this is permanence, love's shattered pride.
What once was innocence, turned on its side.
A cloud hangs over me, marks every move,
Deep in the memory, of what once was love.

Oh how I realised how I wanted time,
Put into perspective, tried so hard to find,
Just for one moment, thought I'd found my way.
Destiny unfolded, I watched it slip away.

Excessive flashpoints, beyond all reach,
Solitary demands for all I'd like to keep.
Let's take a ride out, see what we can find,
A valueless collection of hopes and past desires.

I never realised the lengths I'd have to go,
All the darkest corners of a sense I didn't know.
Just for one moment, I heard somebody call,
Looked beyond the day in hand, there's nothing there at all.

Now that I've realised how it's all gone wrong,
Gottas find some therapy, this treatment takes too long.
Deep in the heart of where sympathy held sway,
Gotta find my destiny, before it gets too late.


Joy Division

pingo breve.
ontem estive com o Johnny no Labirinto. conversámos das coisas mais flipantes. levei-lhe uma k7 para ele ouvir no carro, naquelas alturas, em que o carro faz a curva e a RFM desaparece. não estarei com ele mais uma vez. ouvirá alto o meu imperativo:

Il faut être toujours ivre.
Tout est là:
c'est l'unique question.

Pour ne pas sentir
l'horrible fardeau du Temps
qui brise vos épaules
et vous penche vers la terre,
il faut vous enivrer sans trêve.
Mais de quoi?
De vin, de poésie, ou de vertu, à votre guise.

Mais enivrez-vous.
Et si quelquefois,
sur les marches d'un palais,
sur l'herbe verte d'un fossé,
dans la solitude morne de votre chambre,
vous vous réveillez,
l'ivresse déjà diminuée ou disparue,
demandez au vent,
à la vague,
à l'étoile,
à l'oiseau,
à l'horloge,
à tout ce qui fuit,
à tout ce qui gémit,
à tout ce qui roule,
à tout ce qui chante,
à tout ce qui parle,
demandez quelle heure il est;
et le vent,
la vague,
l'étoile,
l'oiseau,
l'horloge,
vous répondront:
"Il est l'heure de s'enivrer!
Pour n'être pas les esclaves martyrisés du Temps,
enivrez-vous;
enivrez-vous sans cesse!
De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise."


pingo embriagado.
hoje dei uma volta, subi e desci ruas. não fui à biblioteca.
não vi o homem de muletas a ler o seu expresso. não levei nenhuma carta ao correio. não troquei uma palavra com o homem da tabacaria. não comprei nenhum par de sapatos. demorei-me na livraria outra vez, recordando um corpo azul, uns olhos fundos. e uma voz que é só eco toda a vez que abro àquele livro. hoje dei uma volta, subi e desci ruas. e vi os mesmos restos de nuvens ao fim do dia.
pingo à conta gotas.

10/04/2003


© Saul Steinberg

.... e ela passou-se por completo com o seu carteiro e pra refrescar as ideias foi tomar o seu banho.
o que se passou com emma e steiner?
pingo suspenso.

10/03/2003

As Minhas Aventuras na Auto-Feirense

a auto -feirense é uma simpática empresa , possibilitando aos seus passageiros doses diárias recomendadas de vivências altamente enriquecedoras do ponto de vista sociológico , etnográfico e cultural.
na verdade , a auto -feirense é uma empresa saussuriana que reconhece e pratica a arbitrariedade do signo.
quando se pretende viajar de espinho para fiães deve -se apanhar um autocarro dizendo castelo de paiva que fica não mais além que a cidade de lourosa. chegados a esta cidade( ???&%##") os passageiros devem efectuar transbordo.
olho atentamente.há dois autocarros prestes a partir:um deles com a indicação de fiães e outro caldas de s.jorge.visto que pretendo ir para fiães, a minha pobre e limitada lógica cartesiana faz-me caminhar na direcção desse mesmo autocarro .
ó lógica ignóbil e falaciosa!deuses do pós -modernismo!
na verdade , o autocarro que vai para fiães é o autocarro que indica como destino caldas de s.jorge.
pergunto -me para onde iria o tal que indicava fiães como destino .mas é só isso : pergunto -me. ou incorria no risco de ouvir algo como : então a menina não sabe?vai para lisboa é óbvio !!
ai...o que wittgenstein se divertiria por terras de santa maria.
fim de pingo
há dias assim.não vi o mar .não olhei o céu , o telefone não tocou , a senhora do quiosque não disse bom-dia sorrindo , a caixa do correio estava vazia e cheguei a casa era noite , muito noite e as paredes só devolviam silêncio .
e é impossível estar longe de mim.
e os anos passam e as veias estreitam -se sem fulgor ...
e...
fim de pingo ...
Atenção à biodiversidade!

nas minhas peregrinações pelo portugal profundo e superficial encontrei já três cafés de seu nome Pinguim.e não , freud não explica ....hélas ... da família conheço também o café Patinho .
a zoologia da hotelaria nacional é sem dúvida um case -study que faria as delícias de semiólogos .
o tema merece ,aliás, considerações adicionais que terão lugar num post perto de si .fim de pingo .

a chuva chegou .nao há redundância mais bela que a chuva a cair sobre o último dia do mar de setembro.
e a noite na casa é de repente mais completa.os barulhos que nos apercebemos não são mais do que a solidão respirando e a chuva cantando caido desoladamante na rua.
uma taça de vinho tinto .um livro abandonado no colo .
que reste -t -il de nous amours?
gosto muito do nosso portugal .sim , o dos pequeninos também.mas agora falava do portugal de lá de dentro e que eu não conheço nada .
esperava o autocarro num sítio semi -deserto , sem paragem assinalada, ( o que , aliás , é a norma) , numa estrada sem passeios ou qualquer coisa que se assemelhe a uma passagem minimamente segura para péões.( momento de delírio: e enquanto esperava ao fundo da rua ..pensava em ti e em que sorte era a tua .........quero te taaaaaaaaaanto ..aiai breve regresso a minha doce adolescência ( %$/$#"!»*) ) .mas entao ...
voltemos ....
estrada .carros em velocidade shummacheriana .uma rapariga com um ar metafisicamente introspectivo esperando um autocarro ( aliás , a carreira , segundo denominação local ) .autocarro demora -se.e demora -se .e demora -se. a rapariga carrega a sua expressão de angústia metafísica( ai o que godard teria gostado !) .e eis senão quando , do nada , uma senhora , carregando uma criança ao colo , pela estrada sem passeios, e os carros passando tão rapidamente que parecem apenas uma mancha de cor, atravessa a estrada para perguntar à rapariga angustiada se está à espera da carreira.sim , sim responde a rapariga.
menina entao ´não se apoquente , está atrasada por causa das obras mas vem já!
muito obrigada , disse a rapariga.
e desapareceu -lhe o ar de angústia metafísica para dar lugar a qualquer coisa como um sentimento comovido de fraternidade universal.sério .não se riam de mim.verdade.eu hoje sou amiga da humanidade.e sobretudo deste portugal sem megalomanias .fim do pingo .
era uma vez um senhor em viena.
esse senhor escreveu muitos livros importantes e a civilização ocidental nunca mais foi a mesma .
depois de darwin , freud foi o senhor que se seguiu a retirar ao ser humano o seu lugar na primeira divisão da tranquilidade . passámos a ser macaquitos com pulsões.ai o que se teriam divertido os cavalheiros com as recentes descobertas que diferenciam ao mínimo a nossa genética da dos simpáticos primatas.
e hoje em dia , graças ao senhor freud , uma mocita não pode gostar inocentemente de torneiras, por exemplo .daí a nossa homenagem a esse vienense barbudo .
e agora , senhores e senhoras( sim , nesta ordem) pinguemos .