<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

7/31/2004

perigo à vista

ai nossa senora do greenpeace, ó altos deuses do olimpo ecológico , ó soberanos detentores do bom sendo estético , ó supremos designers,agora que fiquei viciada em desarranjos de template ,
deu-me para isto !
primeira medida , poluir os ares das torneiras , pois estávamos a correr o risco de nos tornarmos
demasiadamente bucólicos...
hummm, será que este novo carrinho não pode ter também uma buzina?assim eu inventava a poluição sonora , já que a visual eu acabo de iniciar.
e assim eu vou destruindo as torneiras , na ausência do bom -senso preponderante da parceira nébia , desaparecida em combate.
enquanto isso , vamos lá : cof , cof , cof!


p.s irritado : constato que o camião que encomendei , exclusivamente por causa do portentoso e pujante fumo que exalava , deixou de tossicar.assim não dá!!!!!!!!!!!!para que quero um camião nas torneiras que não polua o ambiente?????

grgrgr

que irritação !por que raios o texto ultrapassa as suas margens(conferir post inferior)?
eu sei : sou transbordante, mas não quero grafismos transbordantes.
o blogger começa a cansar-me demasiado com os seus obscurantismos formatativos.

sem nada que dizer

digo tanto.
sofro de uma verdadeira compulsão verbal.
sou uma obesa lexical com elevados sintomas de hipertensão sintáctica, enfermo também da verbo-obsessiva-compulsão.
sou dialógica , monológica, depende da vítima escolhida.
isto porque, mesmo quando só, não paro de me auto-suceder com interpelações , reptos verbais e livres associações .
há contudo algo de surpreendente no meu caso clínico : odeio telefonemas , fazer , receber ou sequer deles me lembrar.
a minha novecentista alma privilegia as missivas, que o costume tornou arte tão descostumada...
verbomania.
lexicobsessividade.
morfologicopossessão.
sintacticodependência.( gosto muito de sintomatologias patológicas ).
vou fundar os palavrodependentes anónimos.um grupo, reunido em círculo,
exercitando o seu auto-silêncio durante 45 minutos...




(haverá silêncio no coração que me fugiu?em estar quieto como um céu a escurecer-se?em beber dos lábios do dia o sol das esquinas?)



7/30/2004

s.petersburgo tour

com raskolnikov , aqui !

7/29/2004

a morfologia in absentia

por Clarice Lispector:

 
« Vida não tem adjectivo»
 

Sopro de Vida , p.19 ,Editora Rocco

escaldões e relógios suiços

ontem à noite tive um jantar.que foi tão giro como eu sabia que seria .continuo sem acertar no vinho, mas a certeira sobremesa garantiu-me passagem à fase seguinte.
hoje tenho um outro evento.convidaram-me para viver.está marcado para as 8 e espero não apanhar trânsito.
quanto ao vinho ...bem , é melhor passar logo à sobremesa.

casa de verão

eu , sem fio , a esconder-me por demais labirintos : http://moroaqui.blogspot.com
 isadora duncan

 

 

(ficam mais perto da leveza os instantes em que te procuro)

à passagem do km 22

não sei se estou muito cheia , ou muito vazia .todos os extremos se aproximam,afinal.ou então é a velha e metafísica discussão relativismo/universalismo.
ai os ismos!
 
não importa é uma frase que me tem importado muito.chegar ao nada me importa é difícil e moralmente depolorável, mas tem ângulos defensáveis( e os relativistas começam sempre por mas,alguém me repetia ,ontem à noite).
o nihilismo é uma praia cheia de pedais e guiadores, mas não há bicicletas,então ninguém sai do lugar.bless me que não sei pedalar nem tenho equilíbrio.
se houver vagas para ocupar o cabelo dos buracos negros , i´m here.

7/28/2004

zoologia de trazer por casa

logo à  noite tenho um jantar.
é divertido ter jantares .gosto de escolher o vinho que levo ( um dia eu acerto !) e decidir a maravilhosa sobremesa que eu mesma vou fazer , mas que inevitavelmente acaba por ser da exclusiva responsabilidade da arca frigorífica de um supermercado.
depois de uma certa idade ,se há algum estranhamento entre os convivas ,passam a existir apenas dois temas de conversa : a comida ( que é um tema iminentemente metalinguístico ) ou as viagens ( que são um tema desconstrucionista).prefiro o primeiro durante as entradas e o último para a sobremesa.
as despedidas também são giras , com promessas de reencontros breves e revanches gastronómicas em casa do conviva convidado.

mas o pior de tudo são as casas de quem nos convida.
jamais me sinto confortável.as minhas espaldas não se encaixam em sofás alienígenas , a televisão tende a estar ligada ( o que de si é desagradável ) e , frequentemente, mais alta que o suportável . 
há muitas fotografias que despertam atenção fazendo-nos parecer muito mais alienados do que aquilo que naturalmente somos e , com alguma sorte , livros ,e, mais sorte ainda , livros que não foram comprados a metro .

o mal dos jantares não são os jantares , são o seu contexto .isso está tudo errado e piora se estivermos com sono , como estou eu a ficar agora .
mas os jantares até que são divertidos .sejam lá eles quem forem.

feiras,mercados e hotéis de duas estrelas

definitivamente o verão tem efeitos hiper-alergénicos na pessoa que usa o meu bilhete de identidade.

fait - divers e pochettes

neste exacto minuto ocorreram-me 32 outras actividades que eu poderia estar a desenvolver se não estivesse aqui.
mas visto que nenhuma delas vai enviar o santana lopes numa perigosa missão da nasa, nem acabar com os fogos ou  o buraco do ozono , por aqui deixo estar meu batel nas praias derrubado ...

 

house gardening

por que haverá incompatibilidade em ser meticulosamente silenciosa e ruidosamente quieta?

existencialismo prêt-à-porter

no fundo eu sou uma peripatética.ou, quiçá, abreviando,uma pateta.
de qualquero modo nas minhas deambulações ad loca infecta deparo-me por ocasiões com algo que me demanda ulteriores pendências interrogativas.eis o causo :

ontem, numa padaria ao lado da praia, um anúncio pedia empregada de mesa para os meses de maio a setembro .
ficaram-me aqueles meses em estado de signo.é assim que também por aqui vamos ficando: de maio a setembro .sem festa , sem choro e com descontos para a segurança social .

 
( e ,assim, tive o meu momento existencialismo de pacotilha do dia ,porque como já sartre himself dizia :an existencialist thought a day , keeps the doctor away )

estatísticas do opróbio capilar

1.não tenho nada contra as louras falsas.gosto de ilusões ,mentiras e falsidades.desde que sejam tão boas , que não se saiba que o são .a verdadeira mentira é tão pura que se transmuta em verdade .
2.o que acho detestável são as louras evidentemente falsas.não consigo gostar, até porque definitivamente nem toda a eva é uma marilyn.
e é curioso o aumento da população loura falsa ovo-de-páscoa durante o período estival .ontem enquanto calcorreava esta esplanada espinhense à beira -mar plantada fui surpreendida por vários entes do meu sexo ,ostentando orgulhosamente o seu fulgente cromático capilar.

ciências por inventar

a bio-aritmética .
melhor dizendo , inventada ela já foi , só não havia sido catalogada.

cinema mudo

eu voyeur me confesso.
gosto de olhar as demais mesas na esplanada:as palavras que não ouço , os gestos que quase decifro e ,sobretudo,os sorrisos sem destinatário.

7/27/2004

efeito template

descobri que o blogue domina mais de metade da minha vida, segundo teste realizado há poucos dias,contudo , o pior  é o efeito template.
constato  que este rosa é verdadeiramente um choque, instigador de monomanias várias que têm posto em questão a minha já tão periclitante razoabilidade psíquica.
e fico a cismar que este template me jorra octopussianos jactos de tinta tela afora , com o único e destemido propósito de me irritar.

o meu template conspira contra mim , e a nébia desertou .ó coisas todas vãs , todas mudaves!

7/25/2004

o lord!buy me a mercedesblog!

 
43.75 %

My weblog owns 43.75 % of me.
Does your weblog own you?


 
p.s from bomba inteligente !

vinde cá,meu tão certo secretário

encontrei um moleskine , num rendez-vous banal e sem qualquer lirismo , nem mesmo de ocasião.
percorri-lhe ao de leve suas páginas e bocejei.
mais uma mulher prozaquianamente neurótica , algo entre uma pulsão erótica a cair pro anais-nin de subúrbio e um condensado de dúvidas existenciais apropriadas para a revista xis.
assim vão as neuroses femininas.onde acabaram as sylvia plath dos nossos dias?

estados de espírito

 
lembrei-me de marianne, percorrendo o mar e gritando qu ´est -ce que je vais faire? j´ai rien à faire!qu´est -ce que je vais faire?j´ai rien à faire!
 

 


 
«-...Pierrot !
- Je m'appelle Ferdinand»



 


Travailler, maintenant, jamais, jamais; je suis en grève
 


 


 

e quando não há nada para fazer :
 


 

a humanidade pelas praias da amargura

( post irritado porque é domingo)


quando eu era jovem, eu era comunista.não é que eu tenha deixado de ser jovem , deixarei um destes dias , pelas três da tarde.
o que eu deixei foi de ser comunista ,benza-se a avó guilhermina que teve de penar toda a sua existência cercada de marido ,filhos e netos marxistas e a sua devoção antonina em causa.
e mesmo se  continuo a achar muito bonita a ideia de termos por igual acesso aos mesmos bens ( não estou a ser minimamente irónica), não me apeteceu hoje partilhar o meu café e cigarro e a leitura burguesa do meu jornal ,com os bárbaros que aportam em magotes à praia onde vivo , com a benção dos deuses.
 
são hordas de praistas desenfreados , que vêm com seus frangos de churrasco e rádios a pilhas , capazes de berrar com a mais duracel das durações .
são mulheres de cabelos pintados de um louro ovo-de-páscoa e anéis de ouro nos dedos que têm e que não têm.
e são as avós de saia preta e camisa preta e olhos pretos que ficam de saia preta, camisa preta e olhos pretos durante todo o dia , encolhidas debaixo de um guarda -sol.
e são as crianças que pedem,berram,fazem caretas,berram,fogem,fazem caretas,pedem e são as mães atrás deles ,berrando ,ameaçando, cada vez mais louras .
e os pais ressonando ao sol,indiferentes,gordos,quietos na paisagem farta e obesa.
 
cheira a fritos,frango e óleo johnson.há tanta música no ar que não se distingue nada nessa massa informe de barulhos .há muito que o marulhar é só uma lírica recordação .
 
mea culpa e desta horda que me invade a praia e que votou no senhor y porque ele tinha uma cara honesta,mas fala mal dos ucranianos porque sim ,e jamais leu marx e tem medo do patrão, esqueceu a luta sindical e não faz greve por causa do crédito ao banco e prefere ser mais um desde que não tenha que pensar ,não faz mal se puderem vir à praia   ...
não, serei tudo , mas marxista não , que a voz tenho enrouquecida e a lira destemperada .
 
mas quero que eles possam , tanto como eu , ter dentista e ir de férias , mesmo que eu vá para praga e eles para benidorm.e quero que continue a haver um eles e um eu .prescindo é  de qualquer nós aglutinador e totalizante.

7/24/2004

alexandra leaving

 
é no escuro que me oriento , onde já não há horas e apenas um chão onde dançamos.tu :
é sem saber teu nome que te desejo e  perco.
podia contar-te uma história,mas faz tempo que esqueci os rostos de quem mais me amou .
não faz mal ,enquanto houver cidades  engendrarando encontros e horas em que se fala de abandono ou metafísica.
tudo que trocamos são verbos e olhos à procura de um lugar onde dormir.
deixei de querer  as terminologias das causas.
tudo que me importa está no transcurso da pele e por isso me afasto , não peças mais que o instante que agora te dou.
chegar é só o começo de todas as ilusões, e por isso eu tenho de seguir .se ficar resta-me isto e isto não nos chega,pois não?
não chega a pressa ou as manhãs, não chega um rosto que nos cegue ou um caminho sempre igual que nos levante.não chegam os meus olhos cavados de sonho ,a morrerem no teu peito quando já não houver nada,nem silêncio ,para trocarmos.

dança comigo, nu como não foste antes, e diz-me uma palavra que nunca esqueça.
depois eu parto e nunca mais te verei .
teimosia
 
preenchendo um perfil de comunidade on -line ( cheguei à conclusão que só me inscrevo nas mesmas para preencher o devido perfil ) perguntam-me : o que a afasta de uma pessoa?
resposta: insistirem que uma flor amarela é vermelha quando eu digo e repito que ela é branca.
eu é que sei.
 
e assim vou acumulando um inestimável auto-conhecimento .
 

7/23/2004

enfim,gosto

do título desta música pack up your sins and go to the devil .é de irving berlin e a versão que tenho é de ella fitzgerald.

7/22/2004

the night watch
 
 
estes são os primeiros a sair em busca da nébia , preocupados que estão com o desaparecimento da menina das tranças douradas!so helpus Rembrandt !


e se de repente

 
confundimos lexotan com dulcolax?i just did ...
o problema da habitação

 
lendo o público de ontem, fiquei  deveras consternada com a seguinte notícia :

 

O novo ministro das Cidades, José Luís Arnaut,    ocupou o Ministério das Cidades e do Ambiente, na Rua do Século, impedindo que o titular da outra pasta, Luís Nobre Guedes, pudesse instalar-se no gabinete ministerial.
Assim que tomou posse, no sábado, o social-democrata rumou ao Bairro Alto, entrou no gabinete até então de Arlindo Cunha, e começou a colocar tudo o que dizia respeito ao Ambiente porta fora, isto é, para os corredores. Na segunda-feira, Nobre Guedes arriba à Rua do Século e descobre que tem de se amanhar com um dos gabinetes antes ocupados pelos secretários de Estado.


 

mas o mais engraçado é a justificação :

Arnaut terá argumentado com Nobre Guedes que, como o Ministério se chamava, nos últimos dois anos, das Cidades, do Ordenamento do Território e do Ambiente, a prioridade é dele. E também lembrou ao ministro do CDS que ele - Arnaut - era mais antigo no Governo.

 

( nha nha nha nha nha esta casinha é minha , só eu é que brinco aqui e tu e tu e tu não brincas comigo nha nha nha nha nha )
  
 
e eis que me surge a solução para o desditoso causo :
 
 
 

 

7/20/2004

aos desprevenidos
 
 
foi a nossa última conversa
e lembro-me
dos espelhos ficarem muito vazios
porque tinhas já saído.
eu a fumar muito
na esperança de fazer cinza nos olhos
e depois a chávena do teu café
no chão
quebrada e fria 
 como a mão que não te dei
a pedir que ficasses.
 
de repente, eras só memória
e como memória bastavas.
onde ainda agora era tudo noite
 
nasce o sol por detrás da calma nas casas.continuo à espera de fechar o coração.
eco
 
 
um imenso catálogo de absurdos e desencontros , eis o mundo .
mandamentos astrológicos
 
do meio do silêncio avisto uma estrela .
é a única que existe nesta noite de névoa e vai-me ver o coração exposto .apagou-se a última luz das janelas vizinhas.daqui a pouco começam a ouvir-se os primeiros pássaros e ,antes que venha a luz da manhã, fico contente porque chegou a hora de escrever uma carta ,por muito tempo adiada.

falta de opções

devia haver mais do que apenas um princípio masculino e um princípio feminino.

resíduo
 
de tudo, do que vivemos, sonhamos e perdemos ,uma história é tudo que restará.
se a pudermos contar.
the path
 
 
sendo descrente,pauto-me contudo pela esperança.
foi a mais generosa herança que me podia ter dado quem mais me amou .
existencialismo
 
 
desde quando se passou a acreditar em felicidade?
neblina
 
o melhor das divagações nocturnas é o silêncio fantasmático da cidade.a nébia gostaria de ver a névoa que agora se espalha pela cidade,com muito cheiro de maresia.
o complexo de madame bovary
 
 
se freud fosse mulher e  tivesse lido flaubert , esta não lhe escaparia .
 
insónia
 
ou
 
os olhos
arrefecidos
longe do corpo

7/18/2004

olhó post repetição ,olhó post repetição !
 
 
gosto muito de janelas.
gosto de cenários também,com pessoas a passar e dramas que invento  e banalidades.gosto desta retina da casa ,mutável ,fixa,impermanente na sua quadratura fixa.e da luz do dia diferente em cada hora na paisagem mesma que avisto .
e os pássaros sempre fugindo do enquadramento .
aldeia da roupa branca : estatística preliminar
 
 
em 68 varandas , 18 já exibem roupa nos estendais .
neste momento predomina a cor azul , seguida muito de perto pela branca.
há pombas perigosas para o mundo têxtil em 7 varandas.
 
 
 registo da manhã (das 0640 às 11 :34)
 
 
começou por haver muitos pássaros e a manhã era sonora.havia neblina e ao voarem os pássaros não faziam sombra . a manhã era um tempo-futuro.
veio depois o sol,as sombras e as primeiras crianças .
 a manhã ficou mundo .
 
motion
 
 
talvez eu pudesse ficar,tens razão.ficávamos muitos dias a contar histórias do que já vimos e quando acabassem as histórias trazias o livro de gravuras do teu avô ,cheio de criaturas marinhas. e quando não houvesse mais histórias nem criaturas que nos amedrontassem , poderíamos ficar quietos,olhando a terra em silêncio .
talvez até o teu rosto me pudesse trazer um lirismo inapropriado. talvez eu saiba ainda ver as horas e ficar.mas ataram-me o coração à estrada e  será bom apenas lembrar o teu rosto , quem sabe até o teu nome,um dia quando chegar a hora de ficar .
mas hoje não.
 
 
apenas meu é este céu a findar
e os nomes que arrefeceram 
porque esqueci de os dizer .
 
 
post zoofilamente ridículo
 
 
mas foi muito bom partilhar com as andorinhas( rondini ,em ital.como aprendi certa vez num poema do pavese) esta madrugada .
 
 
 
 
p.s.esta é uma das razões do perigo da insónia : o involuntário post ridículo.
captain´s log
 
 
são 9:03 e regista-se o primerio indício de vida humana na cidade,pelo domingo de manhã.um homem abriu a janela da varanda ,tendo -se dirigido ,seguidamante, ao estendal de roupa e retirado uma peça de vestuário não identificada ,mas de cor acizentada.
a observação prossegue.
inabitável presença 
 
nem os carros que passam sempre,vermelhos, pretos ou de qualquero outra cor indefinida, nem os papéis que nunca estarão no lugar ou as poucas histórias que me contaste.
nem as palavras imperfeitas que já te dei ou os gestos a amarem-te mais do que eu,nem as paisagens vazias que atravessaremos,sem medo do silêncio .nem os dias em que não haverá mais corpo meu que te abrace e encontre ou data apontada na agenda ,importante,não esquecer a marcador vermelho.
e nem a cidade que agora é tua ,mesmo que não saibas o nome das ruas. nem o mar nem a alegria nem o nome das árvores todas .
 
tudo  como um resto ,uma penumbra já sem fantasmas e rostos , sem memória.
não sabemos se fomos nós,ou se era um filme,mas  também havia um homem , uma mulher e a sala estava vazia.
era tão triste o rosto de ambos enquanto ele  lhe sussurrava algo que não se ouvia .
 
conheço uma mulher que esperou um homem  que não conhecia .

e nem as casas demolidas,nem o mercado a esvaziar-se cheio de pombas,nem a bilheteira tão triste daquele cinema.
nem todos os endereços ou cartas devolvidas ,nem os livros por ler e os filhos que não nasceram.nem eu
e nem a terra toda .


a quem agora dorme
 
 
gosto disto, dos teus indícios:o isqueiro sobre a mesa,o último cd escutado  e uma chávena vazia.
o frio da manhã entra pela janela que deixaste aberta .
quando partimos fica ainda repleto de nós o lugar e o mundo .
é o que temos de menos longínquo e o  que desaparece mais lentamente, como o último gole de chá na tua chávena.
viva a canção popular portuguesa!
 
crise remix
 
1
lá vai uma
lá vão duas
três crises a voar
uma é minha
outra é tua
outra de quem a apanhar
 
 
 
2
sobe , sobe ,crise sobe
vai dizer àquela estrela
que me deixe lá viver
e depois fazer análise
num divãããããã
 
 
3
eu tenho duas crises
tararan
que em nada são iguais
tararan
mas não tenho a certeza
aaaaaaaaaa
em qual eu sofro mais
 
4
atirei um pau
à crise se se
mas a crise se se
não morreu eu eu
 
5
ó  crise tão  linda
de bico dourado
leva esta carta
ao meu namorado
 
 
 
 
 
 
 
 
 
adágios populares
 
 
a crise do minha vizinha é sempre melhor que a minha.
este sim,é o post que a todos interessa
 
 
enquanto discorro sobre crises,insónias e criação de trutas em geral ,ardem na cozinha as mais  singelas torradas por mim preparadas .
e agora, culpo a crise pelas minhas torradas em rescaldo .
 
 
p.s entretanto  chega à sala onde estou o mambo , o mais lindo cão da via láctea que me olha displicentemente, dizendo: pfffff, estás a fazer uma de insónia seguida de estado crítico outra vez????eu vou é dormir,até amanhã.
blogocentrismo ou da cosmoblogologia
 
 
language is a virus,é sempre bom de recordar .
muito se fala,muito se escreve e alguma coisa se lê de blogues em crise,em angústia em convulsão. alguns blogues apenas se constipam ,outros ainda entram em erupção.
alguns ,no entanto ,levam a mais seráfica das existências ,alheados de crises blogontoexistenciais e os deuses estejam com eles.
 
no mundo do blogo corgito ergo sum sucedem-se as as apoplexias,algumas definitivas.
não vou discorrer sobre a essência de  um blogue, da sua práxis,ou finalidade avulsa ,isso já se fez imensas vezes e muito bem,além de que não sou particularmente versada para me manter coerente.
 
crise é uma palavra sustenida com frequência.
e crise é uma palavra importante , ou a processualidade crísica e crítica são importantes.a chatice maior é viver a crise.adopto um ponto de vista que evidentemente não é outro senão o meu e arranjar e formatar o meu já é penoso o bastante.
mas iniciava eu a palavra crise.podia ser frustação ,podia ser cansaço ,tédio .ou outra qualquer ainda mais incisiva.peut-être.
não há no meu ponto de viste crise que não passe pelo seu sujeito,ainda que o objecto seja,entre todos ,o mais definido. e assim entra a minha crise,ou cansaço ou tédio ou qualquer outra coisa sem nome .
não me dou bem com o verão , não me ando a dar bem com portugal e mais importante ,muitas vezes nãome dou bem comigo.a irritação aumenta , os poros dilatam e  concentração diminui ,as insónias repetem-se.
agora são 7 34 e foi muito bom encontrar esta madrugada.
 
poderei eu culpar o blogue pela conjuntura ?era muito bom , mas não posso .e nem a mim e nem a ninguém.faz muita falta um culpado na vida.
no fundo , acho que  a psicanálise foi inventada para se arrnajarem culpados credíveis.
 
.a escrita como um anticiclone dos açores.escrita como lenitivo,como refrigério .vinde cá meu tão certo secretário .credo quia absurdum est.sim.e sim.e sim.pour moi o blogue tem sido o meu tão certo secretário - inútil,fútil,experimenalista,diarístico,o peixinho dourado do aquário que não tenho.
 
há uns dias,corrompida a um dos meus poucos vícios ( acho que arranjar mais uns quantos poderia ser uma boa terapia)- interpretação de mapas astrais_descubro que deveria cultivar o ofício de escrever cartas.
gosto muito de cartas,de recados,de apontamentos.gosto muito escrevinhar,rabiscar,rasurar.às vezes gosto de mais , qual amante saía de um bolero excessivo .
às vezes quero mais do que o que posso.mas messo assim insisto,repito,procuro. e fico a pelejar no escuro ,contra mim,contra o que aspiro , contra o que não chega , ou já se foi ,inelutavelmente .
 
o blogue é o registo sintomático de todas as neuroses que estimo , de todos os vícios que cultivo , de todos os afectos que me sustentam ,de todos os rostos que amo , das vozes que me chamam , dos nomes que quero repetir , dos medos à la recherche de um exorcismo perdido .das palavras que me rodeiam, me atentam, me provocam.das que me ferem.
 
não sou eu ,mas aqui me ponho .da mesma forma que me ponho no mundo e no seu visível .da mesma forma que imagino que nos vejam ,mesmo que seja dentro de um poço ou de uma árvore.
 
tenho lamentado a minha autodescoincidência e o blogue cor-de-rosa tem sido seu eco surdo .
não antecipo qualquer indício do meu self fiat lux.como se uma agulha emudecesse o que eu estivesse à procura de escutar .
 
preciso de uma palavra que não tenho e não sei onde ir buscar .
dos resquícios disso tenho feito o regresso e a insistência.
às vezes acho que era bom partir.partir deste locu , mas essencialmente partir desta geografia,algo assim como ir criar trutas.
 
sou um ser do barulho e da confusão e por isso permaneço.não sei onde ou até quando , nem de que forma , mas é isso .
entretanto vou empurrando a pedra.
e agora preciso de um café e quatro asas.
 
 
 
p.s este é um texto de insónia , que tal como as palavras de um bêbado deve ser lido com especial descaso .
 

7/17/2004

tremei, ó destemidos icréus
 
pormenor orkutiano:aquando da criação de uma comunidade, uma pergunta  imana da celestial tela e ribomba demandando:
are you a real person?
 
a pergunta fica registada no meu subconsciente, e é na antecâmara do sono que ouço sussurrarem-me are you a real person , are you a real person, are you a real person...?
 
 
 
O resultado fatal de eu viver é o acto de escrever. Há antos anos me perdi de vista que hesito em procurar me encontrar .Estou com medo de começar .Existir me dá às vezes uma tal taquicardia.Eu tenho tanto medo de ser eu .São tão perigoso .Me deram um nome e me alienaram de mim.
 
 
Clarice Lispector,Um Sopro de Vida ,p.16 ,Rocco
 
 
 
 
 
 
Tenho de ter paciência para não me perder dentro de mim.Vivo me perdendo de vista.Preciso de paciência porque sou vários caminhos,inclusive o fatal beco-sem-saída.Sou um homem que escolheu o silêncio grande.
 
 
Clarice Lispector,Um Sopro de Vida p.29
 
 
 
elliot smith
 
 
can't make a sound

 
i have become a silent movie
the hero killed the clown
can't make a sound
can't make a sound
can't make a sound
nobody knows what he's doing still hanging around
can't make a sound
can't make a sound
 can't make a sound
can't make a sound
 
the slow motion moves me
the monologue means nothing to me
bored in the role, but he can't stop standing up to sit back
downor lose the one thing found
spinning the world like a toy top til there's a ghost in every town
 
can't make a sound
can't make a sound
can't make a sound
can't make a sound
 
eyes locked and shining
can't you tell me what's happening?
 
why should you want any other when you're a world within a world?
why should you want any other when you're a world within a world?
why should you want any other when you're a world within a world?
why should you want any other when you're a world within a world?
is it silence
 
 
o melhor atalho para não dizer nada?
e se não quero dizer nada , porque me aflige o silêncio?


No Surprises  
 
A heart that's full up like a landfill
A job that slowly kills you
Bruises that won't heal  
 
You look so tired and unhappy
Bring down the government
They don't, they don't speak for us
I'll take a quiet life
A handshake of carbon monoxide  
 
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
Silent, silent  
 
This is my final fit, my final bellyache with  
 
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises please  
 
Such a pretty house, such a pretty garden  
 
No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises please (let me out of here)  
 
Radiohead




7/16/2004

Vacanze Romane
 

 
Joe: Each one represents a wish fulfilled. It all started during the war. There was an air raid, right out here. A man with his four children was caught in the street. They ran over against the wall, right there, for shelter and prayed for safety. Bombs fell very close, but no one was hurt. Later on, the man came back and put up the first of these tablets. Since then, it's become a sort of a shirine. People come and whenever their wishes are granted, they put up another one of these little plaques.
Ann: Lovely story.
Joe: Read some of the inscriptions. (Ann moves closer toward the wall) Make a wish? (Ann nods). Tell the doctor?
Ann: (declining) Anyway, the chances of it being granted are very slight. 
  
 
eu sou má e muito invejosa
 
comprei o público e sentei-me numa esplanada barulhenta.
desfolho-o ociosamente e coloco-o na mesa,aproveitando para continuar uma leitura que me absorvia toda a capacidade neurocerebral.
uma senhora de pés imensos e gestos descondizentes com a sua idade sexuagenária dirige-se-me pedindo o jornal.
esboço um amarelado sorriso e estendo-lho.
 
confesso ,não me apetecia nada emprestar o jornal. a minha mesquinhez faz-me odiar leituras usadas de jornal.
além de tudo, e agora vou incorrer também no pecado da xenofobia cultural,a mulher já tinha lido aTv Guia e o público não combina com este cabaz de leitura.
os mais absurdos actos falhados
 
 
acabo de trocar sandochas por galochas...
ai que medo !

sou uma mulher basicamente novecentista,metafisicamente novecentista,apesar de ter vendido a alma aos confortos da vida moderna.de qualquer modo como se pode ouvir em little britain( rtp 2,domingos às 11:30 ) i ´m a lady , i do lady things!

eis qual não é o meu susto tecnológico ao ver a hiperactiva barra de formatação do blogger .e agora?obrigam-me a experimentar tudinho.ai que medo .logo hoje que o meu pc vive uma lentidão própria de quem já enfiu um 4 mojitos ...
 
p.s o post anterior sofreu várias mutações de teor experimentalisto-formatológico .

pelo facto, e pelo mau gosto em evidência comprometedora ,a gerência pede a desculpa e promete ser breve . 
 
ai que medo !


sou uma mulher basicamente novecentista,metafisicamente novecentista,apesar de ter vendido a alma aos confortos da vida moderna.de qualquer modo como se pode ouvir em little britain( rtp 2,domingos às 11:30 ) <
ai que medo !


sou uma mulher basicamente novecentista,metafisicamente novecentista,apesar de ter vendido a alma aos confortos da vida moderna.de qualquer modo como se por ouvir em little britain( rtp 2,domingos às 11:30 ) i ´m a lady , i do lady things!

 
eis qual não é o meu susto tecnológico ao ver a hiperactiva barra de formatação do blogger .e agora?
obrigam-me a experimentar tudinho.ai que medo .logo hoje que o meu pc vive uma lentidão própria de quem já enfiu um 4 mojitos ...
 
 
 
p.s o post anterior sofreu várias mutações de teor exprimentalisto-formatológico .pelo facto, e pelo mau gosto em evidência comprometedora ,a gerência pede a desculpa e promete ser breve .
 
 
 

7/15/2004



e mais uma série que não vou perder. hoje a rtp 1 volta a apresentar "Dr Jivago" por Andrew Davies, às 23 horas. quem viu diz que esta versão ultrapassa a do David Lean. tenho de ver para saber.

Yuri: It's all a mystery. Love - the idea that there is someone already there in the world who might hold the key to your whole existence.
monotema

o invisível é uma arte de muitos perigos.
grandes são os caminhos do mundo e cheios de perigos


pois não é que por artesestranhas e obscuras me eis chegada a uma farmácia musical on line?
pois espantam-se,mas é verdade...
de la langue et language

divagando, alguém menciona que mito de sisífo enunciado no original francês se torna le mythe décisif .
lições de casa


quarta-feira,11:3o,canal hollywood:esse estranho objecto de desejo, de buñuel:

aprendi que se odiamos alguém é altamente preferível atirar-lhe um balde de água de um comboio em andamento,do que intentar matá-la.
sintomas

blogomania,
blogofrustação,
blogorejeição,
blogodependência,
blogodeserção,
blogodesatenção,
blogo-euforia,
blogodisforia,
blogocompulsão,
blogogramática,
blogosemântica,
blogo-estética,blogodistância,
blogodesistência,
blogocansaço.
o dia está assim



ou assim ?





7/14/2004

outro último poema


Adeus,meu amigo,adeus,
querido amigo, que trago no coração.
A separação predistinada
para mais tarde promete novo encontro.

Adeus,meu amigo,sem aperto de mão nem palavras.
Não lamentes e não haja dor nem pena,-
nesta vida morrer não é nada de novo,
mas também nada de novo é viver


Iessénine,tradução de Manuel de Seabra in Poetas Russos, Relógio de Água,p.59




Até logo, até logo,companheiro,
Guardo-te no meu peito e te asseguro :
O nosso afastamento é passageiro
É sinal de um encontro no futuro .

Adeus,amigo,sem mãos nem palavras.
Não faças um sobrolho pensativo.
Se morrer, nesta vida,não é novo,
Tampouco há novidade em estar vivo .



Iéssenine ,tradução de Augusto de Campos in Poesia Russa Moderna de Augusto de Campos,Haroldo de Campos e Boris Shnaiderman,Editora Brasiliense,4ª Edição


LAST BLUES, TO BE READ SOME DAY (*)

Foi só um flirt
e sabias, claro -
alguém foi ferido
há muito tempo.

Mas nada mudou
o tempo passou -
um dia chegaste
um dia morrerás.

Alguém morreu
há muito tempo –
alguém que queria
mas não sabia.


Cesare Pavese

(Tradução de Carlos Leite in Lavorare Stanca,Cotovia)

(*) Último poema antes de suicidar-se em Turim
in memoriam


Aqui mesmo ao lado

há um blog muito estranho. melhor: há quem faça aparecer e desaparecer os seus posts, enquanto o diabo esfrega o olho. só pode ser mesmo um espírito inquieto, que nem os próprios posts deixa quietos.
ou serão posts fantasmas?
ou será uma ilusão óptica colectiva, programada para alguma hora?
é preciso ficar atento. é um perigo.
Achados

depois de virar a curva do Blogger, vejamos o que ale deixou para trás. não,não dois acordes, mas sim uma orquestra de paracetamol (aqui mesmo) e um comboio cheio de pilhas alcalinas e duas fatias de uma casa muito astral.
post extremamente malvado e de teor fundamentalista

( porque quando estamos constipados,nos assiste o direito inalienável de ser fundamentalmente reaccionário )


encaixo-me numa cadeira de bar de praia,munida dos contos de kafka,as navegações da sophia e água viva da clarice (sou uma leitora polígama e volúvel)e tento abstrair-me da barulheira musical que impede o simples prazer de escutar o mar.
o tempo passa e,a dada altura,uma mulher,jovem ainda,senta-se na mesa contígua.depois de instalada,retira da carteira a sua leitura.revista maria.

suspiro e,com toda a maldade,pergunto-me:é para isto que se alfabetiza um ser?
para saber que a Marilu verá o Maurício nu( corem), ou que a Sofia Marlene afinal não está grávida(surpreendam-se) e a Roberta Cristina não é filha da Rosa Maria(neguem,rejeitem,não admitam)?
ilvico

o tempo aquece e eu sumo entre dois acordes de paracetamol.contipações estivais são bem mais deprimentes que as suas congéneres invernosas.não está certo haver contipações e termos os braços nus.

passeio à beira-mar e entre um espirro e duas tossicadelas, sou olhada de forma estranha.sinto-me perseguida: sim,sim,estou constipada e devem estar aí uns trinta graus ,je sais, so what dear???!!!

a constipação é um estado de intervalo.não há nada a fazer.
um estado de intervalo e de paracetamol,que é um fármaco bastante deprimente e nada criativo.
de todos prefiro ilvico:vai directamente ao ponto,levando o malvado do vírus à asfixia( assim eu imagino ...um quarentão de luvas brancas apertando nas mãos a garganta esverdeada do vírus...)o melhor do ilvico é que ,graças à componente histamínica, me deixa prostada de sono.qual xanax.
dá-se então o efeito bela adormecida e quando acordo , se assim me favorecem os deuses,a constipação já é apenas uma recordação distante.


aaaaatchim!

7/13/2004

reencarnações on -line

apesar de esgotado o stock de cleópatras,bonapartes e monárquicos em geral,há ainda muitas vagas para intelectuais famosos.
alguns anónimos são também interessantes e muito,mesmo muito em conta.
para escolher a futura/passada reencarnação ,podemos ter acesso ao perfil moral,embora ele seja restrito e sujeito a alterações imprevisíveis ,pelas quais a gerência não se responsabiliza.
é também possível fazer encomendas em rede,ou seja,se desejarmos reencarnar e encontramo-nos com alguém desta vida ,basta inserir o perfil da mesma na seccção almas vagas,correspondente ao período cronológico,geográfico e sociológico para onde tivermos efectuado reserva.

estou indecisa entre várias opções.embora tenha o meu critério de escolha: quero ser homem,moralmente saudável,de preferência garboso e com talentos artistícos.
período cronológico...é difícilprescindir das comodidades da vida moderna...bom, mas acho que me inclino para século XIX.só não quero morrer de tuberculose.ah...e geografia,não tenho dúvidas: paris!

quando o telefone toca


seria possível entrar em contacto com ale,torneiras de freud?

quem deseja falar?

comité de investigação de actividades ficcionais.


é a própria...

é verdade que mantém há alguns meses uma personagem ocasional chamada jojó ,que já mudou de rumo narrtaivo várias vezes?

sim, é verdade.

não está então a par dos direitos da sua personagem?
não sabe que não pode mudar a direcção narratológica e/ou o protagonismo da sua personagem,sem ter em atenção o direitos que assitem à mesma?
não sabe que não pode mais contratar a termo certo da dita personagem e já ultrapassou o período de a tornar uma personagem efectiva?
não sabe a senhora autora que nunca efectuou qualquer contribuição para o fundo de reforma de personagens narrativas e por isso incorre numa pesada sanção???


não , não sabia de nada disso!e agora?


agora dirija-se com a máxima urgência à delegação regional de personagens e assine um contrato sem termocom a personagem jojó , efectuando de seguida o pagamento das contribuições em dívida.

está bem ,muito obrigada!



e enquanto isso

sou a primeira babysittervirtual da história da humanidade:

ruben says:
quer fazer um jogo?
agualilas says:
qual?
ruben says:
é assim
ruben says:
- - - - - - e tem de adivinhar a palavra ex - a -m -i -g -a
rubensays:
ok
agualilas says:
hummmm....
agualilas says:
ok...





ruben says:
agora és tu
agualilas says:
- - - - - - - -
agualilas says:
a primeira e um g
agualilas says:
a ultima um l
rubena says:
e asseguir ao espasso
rubensays:
qualé a primeira?
ruben says:
nao sei...

Última Hora


Eu não queria dizer nada, juro, mas tem de ser. Já se pergunta pelos corredores da blogosfera, onde pára a paint artist?? Bem,tudo aponta que ela esteja na praça orkut,no meio de um total trânsito. E tudo se deve às altas discussões que está acontecer na nova loja de Ale:
play it again sam .............paio
Tudo sugere que essa mesma loja esteja colada à do "sabonete santanete".
Alguém ouviu falar?
Um chá gelado

petiscando "durante aquele estranho chá-perdidos e achados" de Lygia Fagundes Telles,uma soma da garimpagem de Suênio Campos de Lucena, dou com esta cereja em cima de um bolo borgesiano:
"Gostaria de tomar mais sorvete e de viajar muito mais do que viajei", respondeu Borges quando lhe perguntaram o que gostaria de fazer se lhe fosse dada uma segunda vida."
E agora a Lygia? Só tomando "durante aquele estranho chá".


volta rpt2!!!!!!!!!!! estás perdoada!!

já não há mais pachorra. e voltam a passar o 888ª capítulo sobre os chimpanzés e a 777ª história da carochinha sobre os ventos e mares;...
por favor, voltem a apresentar, como apresentavam, todos os dias da semana, os filmes, os clássicos, os independentes, os lados B, os hollywoodescos anos 50,.... e já nem penso nos critérios, logo que passem, do que isto assim, de passar um filme por semana.

assim continuando, a minha herança do canal 2:, vai ser zero. ou melhor, salva-se, entretanto, os anjos.

7/12/2004

The Sopranos

Agora que os Anjos passaram, regressam os Sopranos à tv. o encontro está marcado para hoje no canal 2:, daqui a pouco. e quando um mafioso procura um psiquiatra,...

quanto ao episódio de ontem, há aqui um parêntesis. é triste, muito triste.
Fora da caixinha de comentários

hoje não vou pedir emprestado nenhuma frase, nenhum pensamento, nem vou ligar a tomada a algum poema. bastou ontem, em que o meu espírito borgesiano estava um bocadinho embriagado. vou apenas saltar da caixinha de comentários para dizer que a paint art de Ale se tiver seguidores, como eu, vai ser o fim da picada. que bom, a paint art não impõe nenhuma verdade.
Crepúsculo

eu gosto de ver crepúsculos, sentindo que o mundo está parado.
o crepúsculo não é dia nem é noite, é o "entre". é um corredor com um papel colorido.
é ver um quadro do rothko, de um enquadramento de uma janela, de uma varanda.
é uma tela vermelha, laranja, púrpura, a acontecer dentro de nós e pacifica.
é luz.
paint art

primeira tentativa de ensaio laboratorial

a paint art já existe e ninguém a proclamou ainda.a paint art nãofoi proclamada porque não é arte,não quer sê-lo e não o poderá ser .secunda-a o impulso criativo isento de finalidades holísticas.
não pretende revolução,não pretende evolução ,não proclama herdeiros e nem quer descendentes.existe como um todo , mas é inteiramente singular.não é democrática,mas é libertária.
não exige,não apregoa.
a paint art é a demasia do silêncio,é o espelho que quer ser pele.diz o que tem de ser dito,mas não tem obrigação de dizer .não pertence ao isto ,nem ao agora e nem ao contexto.é pretexto ,apenas.é atópica,mas não é negativa.e nem afirmativa.
a paint art não tem cheiro nem textura.
está isenta de ismos.a paint art nem sequer é arte.
quer fazer, mas não quer ser , pois não poderá ser essencial.
paint art está em devir,mas não é uma procura.a paint art é hedónica multidimensionalmente.
a paint art nasce agora e já está morta.





post atrasado
ou
Uma Revolução no Mundo da Morfologia

ficou-me esquecido no mais caótico dos item femininos,a carteira, um anotamento referente a 8 de Julho;
este,salvo de uma descida aos infernos na máquina de lavar por alguns predistinados segundos,trouxe-me à lembrança o texto que lhe deu origem.o texto que me causara tão espantosa incredulidade constava de uma página de jornal que li por fortuito ou , quiçá,estranho conluio do olimpo.


na página frontispícia desse hilário jornal de notícias disserta-se das diferenças primordiais e semânticas de duas palavras de grande utilidade: e,ou ;

gostamos do pendor metalinguístico e prosseguimos a leitura.
eis qual não é o nosso espanto ao constatar que de um momento para o outro a singelíssima conjunção coordenativa copulativa ehavia sido inflacionadamente promovida a advérbio!
para o senhor jornalista cujo nome a minha inépcia não registou epassou a ser o mais novo membro dessa reputada classe que são os advérbios.
para cúmulo, o texto em que se sustenta esta radical tese está evidenciado e destacado em caixa.


concluo, pois , que depois de canas de senhorim almejar o estatuto concelhio ,é chegada a hora das conjunções aspirarem à adverbialidade!!!!!!!!



p.s.dias que se passaram ,ignoro se foi feita correcção a posteriori do erro constante no artigo,já que não sou leitora do jornal.
kisses sweeter than wine

uma tarde de verão, que muito mais que uma estação do ano é um estado psicológico do qual não padeço,agrada-me a companhia de marlene e sua melancolia de nicotina.

7/11/2004

"Mesmo que não conheças nem o mês nem o lugar
caminha para o mar pelo verão "

Ruy Belo

Marc Chagall,Paris Through the Window, 1913


hey Ale, o que há de interessante também, na internet, é ver, por exemplo, a pintura de Marc Chagall .



Martin Tom Dieck, Auf der Suche nach dem Ich, in Geo, 02/1998




Martin Tom Dieck


vale a pena "navegar" na internet para ver b.d.
Delírio

"...porque no delírio a palavra brota em toda a sua pureza originária"

María Zambrano, em "A Metáfora do Coração".

pensamento

O futuro é perigoso porque usar o futuro condiciona.

Domingo

Só Cioran sabe perfeitamente o que eu penso sobre este dia que é nomeado como Domingo. Está tudinho bem explicado no seu "Breviário de Decomposiçao".

Hey Alexandra, não vale ficar mais de sete dias blog off,assim tens de ser altamente multada. só aceito como justificação, uma viagem até Praga. :)
Despedida à francesa

Onde pára o navio "o companheiro secreto" ? ele não se encontra no porto de costume. cadê a tripulação?
A verdade de Lhasa de Sela

Lendo ainda diagonalmente as críticas dos outros concertos de Lhasa de Sela cá em Portugal, continuava curiosa em relação ao concerto de ontem, no Palácio Cristal do Porto. Sabia que ela colocaria muita tristeza na voz, se as suas músicas não fossem tristes por si sós. Digo mais: elas estão cheias de um nilismo esperançoso.
O que me tocou mais foram as histórias que ela contou em português, em especial de uma sobre a vida do seu bisavô, a invisibilidade daqueles que já partiram, os portos, Marselha. e a última, a mais tocante e verdadeira, do seu pai filósofo que originou nesta grande canção.
Soon this space will be too small/ and I'll laugh so hard/ that the walls will cave in.../ all my veins and bones/ will be burned to dust/ you can throw me into/ a black iron pot/ and my dust will tell/ what my flesh would not.


soon this space will be too small / and I'll go outside / to the huge hillside / where the wild winds blow / and the cold stars shine


Hipnotizar é mesmo esse o verbo, Cris. :)

7/09/2004

crise política

via bomba inteligente,um outro teste.hummmm,numa altura destas da vida nacional é trágico conhecer uma tal vocação :


You are an SECL--Sober Emotional Constructive Leader.
This makes you a politician. You cut deals, you change minds, you make things happen. You would prefer to be liked than respected, but generally people react to you with both. You are very sensitive to criticism, since your entire business is making people happy.

At times your commitment to the happiness of other people can cut into the happiness of you and your loved ones. This is very demanding on those close to you, who may feel neglected. Slowly, you will learn to set your own agenda--including time to yourself.

You are gregarious, friendly, charming and charismatic. You like animals, sports, and beautiful cars. You wear understated gold jewelry and have secret bad habits, like chewing your fingers and fidgeting.

You are very difficult to dislike.

arquivo


na senda do post anterior,recuperei do empoeirado arquivo estes posts:


o paracetamol

é a menos entusiasmante das drogas farmacêuticas.
é popular .serve para tudo e mais alguma coisa .toda a gente conhece e já tomou .há sempre um por perto .é benévolo porque não prejudica a flora intestinal .o paracetamol é um sacristão .
a literatura que o acompanha é monótona e sem efeitos secundários , além de igual em todas as marcas .
e é visualmente deprimente : quase sempre comprimidos esbranquiçados e redondos , ou seja , completamente demodés em matéria de design farmacêutico .

este é o paracetamol : popular , gentil e entediante !




a minha outra profissão

era farmacêutica,certamente
.
adoro caixinhas de comprimidos.adoro os comprimidos em si , as cores , as formas , as texturas.delicio-me com os nomes que decoro com toda a felicidade e facilidade.
então ,sempre que o médico me receita algo de novo corro para a farmácia , qual fashion victim em busca do último modelito prada .

hoje fui levantar o último modelo de estrutura vitamí­nica receitada pelo senhor do estetoscópio ao peito .
enquanto o senhor farmacêutico vai inquirir da localização de minhas super -ultra -mágicas vitaminas ,meu olhar extasia-se ,delongadamente, pelas prateleiras da farmácia.
pareço homero namorando as musas.

entretanto,enquanto julgo ouvir ao longe yellow submarine( sabe-se lá por qual a razão... ) ,o senhor da farmácia dirige-se a mim,sorrindo.
num lapso de poucos segundos imagino as minhas vitaminas , assim algo entre andy warhool e um alvar aalto .
estendem-me no entanto algo vagamente cérélac.uma caixa de alumínio oho em volta: procuro uma mulher com ar de mãe.nada:a farmácia está despovoada.a vítima sou eu .
as minhas vitaminas parecem uma embalagem de cérélac , ou daqueles leites em pó de bébé.
fico decepcionada.isto não se faz.o meu médico deve estar a rir -se .

agora confirma-se: eu ando mesmo no pó .

o pior é que a saca da farmácia fazia publicidade a nada menos que aos miraculosos dulcolax.para os menos entendidos em matérias farmacêuticas , o dulcolax é nada menos que um laxante .




laranjinhas!

adorei a estética das minhas pastilhas da sinusite.
forma cilíndrica , levemente achatada , lisas , sem qualquer inscrição .textura suave.e a cor !ah! , um laranja depurado , nem demasiado berrante , nem demasiado apagado.
odeio comprimidos brancos , sem graça .comprimidos lindos são os coloridos .há uns cor -de- rosa , giríssimos , acho que são um analgésico.
os comprimidos redondos também estão fora de moda .demasiado óbvio.esses são os benurons , os ilvico e todos os parecetamóis .são a plebe dos comprimidos .convencionais , com medo de ousar e chocar a opinião pública .

para quando prémios de design aplicados à farmacêutica?




prozaquianos ao poder


acabo de regressar de uma visita à charlotte, estou radiante!entre várias sugestões para blogues temáticos,é sugerido um blogue de fármacos!!!!!!!!!!!!!
sim!!!!!!!!subscrevo a sugestão , por favor alguém avance!!!!!!

7/06/2004

multibanco - telecarregamento de emoções

seleccionar
serviços-seguido de pagamentos ao estado -e finalmente telecarregamento de emoções.visto o serviço estar nos seus primórdios , estas são as opções de momento:


-Alegria
-Contentamento Momentâneo
-Ódio Produtivo e Necessário
-Felicidade Aparente
-Auto -Satisfação
_Determinação Paciente e Focada


depois de seleccionar a emoção pretendida ,deve optar pelo tarifário que melhor se coadune com o seu estilo de vida mental;
recordamos que a alegria no período da manhã tem uma sobretaxa fixa de 8 cêntimos por cada hora de utilização.
o valor dispendida é dedutível nos impostos.valor acrescido da taxa de iva de 19 %.pedido de factura só com número de contribuinte.


pergunta no sítio errado


(o consolo é uma procura ou uma benção?)
menos do mesmo



gosto muito de janelas.é facto e factos devem ser repetidos,repetitivos.gosto de olhar das minhas janelas,as literais e as metafóricas,e delas para o mundo , mas também de olhar quem nas janelasoutro mundo olha.há tantos mundos na terra quanto pessoas a olhá-los.

desta vez,o meu olhar interseccionou-se com uma varanda defronte e ,entre sardinheiras pululantes, duas pequenas crianças riem e fazem ondear um lenço de um rosa diafaníssimo, quase irreal.
no cinzento do dia ,este lenço rosa foi a flor, o pássaro ,o barco , o rosto e o instante que andei a procurar e só agora vi.
prateleira confessional

ontem foi um dia chico buarque.hoje é um dia chet baker.ontem foi um dia de revisitações( virginia...regresso sempre às ondas quando começa o verão...antónio franco alexandre, uma frase em noites brancas de dostoievski,lição secreta de marguerite e mais uns versos trans-procurados em manoel de barros).à noite, por acaso, tropeço no arte e revejo carteiro de pablo neruda.e sonhei com mario gravando o som da noite estrelada da sua ilha.ontem.

os dias desfazem-se hora a hora e no desfazer é que está toda a arte , como nos ensinou penélope.
entretanto, enquanto o vamos fazendo ...olhos alçados para ouvir as estrelas.
prateleira confessional

ontem foi um dia chico buarque.hoje é um dia chet baker.ontem foi um dia de revisitações( virginia...regresso sempre às ondas quando começa o verão...antónio franco alexandre, uma frase em noites brancas de dostoievski,lição secreta de marguerite e mais uns versos trans-procurados em manoel de barros).à noite, por acaso, tropeço no arte e revejo carteiro de pablo neruda.e sonhei com mario gravando o som da noite estrelada da sua ilha.ontem.

os dias desfazem-se hora a hora e no desfazer é que está toda a arte , como nos ensinou penélope.
entretanto, enquanto o vamos fazendo ...olhos alçados para ouvir as estrelas.
E de repente ,férias...


Calma, nada de pânico .


monocromatismo

este cinzento de anzol mordendo o verão é desnecessário.sobretudo se não produz uma mais especial maresia.
cambio-change -exchange


só nos é dado alcançar tudo que perderemos.a transitoriedade é a medida de todas as coisas.
Frases que Oscar Wilde gostaria de ter dito , mas não disse e apeteceu –me uma blague megalómana , com ou sem sentido :


1)Prezo muito todas as pessoas que exercem artisticamente a futilidade.

2)Nos pequenos gestos de uma mulher, vislumbra-se tudo o que deve ocultar.

3)Em sociedade, as palavras são o sustento da maldade.

4)Na mulher que cora, a moral é dúbia.

5)A coragem é o mais belo artifício dos fracos.

6)No homem , a brutalidade é um preconceito contra a inteligência.

7)Chorar em público só é admissível quando as lágrimas são fingidas.

8)As mulheres sentem com palavras e agem silenciosamente; os homens sentem sem palavras e agem com estrépito; daí que o sucesso seja uma condição feminina.

9)A timidez é um bom recurso novelesco , mas na vida só devemos permitir-nos a ousadia.

10)A mais apreciável qualidade masculina é a pretensão de inocência .

7/05/2004

até sempre, Sophia

o que se pode dizer de uma grande poeta como a Sophia?
Sophia é tão somente a poeta que me despertou para a paixão da poesia. foi com ela que eu senti que a poesia está para além do negro das palavras no branco da página. continuarei a lê-la interminalvemente

Mar sonoro


Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho.
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim.

Sophia de Mello Breyner Andresen




"Sophia foi um dos milagres acontecidos à nossa alma."
Maria Velho da Costa





7/04/2004

Angels in America

Amanhã finda uma das séries mais fabulosas que eu vi nestes últimos tempos, Angels in America. A tónica é crítica e os diálogos são muito bons. O capítulo anterior teve diálogos tão excelentes que eu fiquei com tanta pena por não ter uma folha ao meu lado para apontar uma série de falas. Amanhã já estou preparada.
A Gente Vai Continuar

Tira a mão do queixo, não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou, ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega aonde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém, não
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
E a liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Jorge Palma

Errância

a favor da errância, tomar a estrada logo de manhã. a paisagem, o que é?
é o país parado. e eu a pensar que com o futebol não há progresso.
segurar os 20 nos pés para o flash.




o país está suspenso à espera do jogo final.
e as gavoitas, aguardam o quê?



ah, o negócio delas é outro.



a alegria, a euforia, a loucura é tanta. até o papagaio é hoje português. ou será alguma mensagem de última hora para o Felipão?



fala-se em crise...atravessei um circo com uma câmara disparando...vi um leão adormecido. amanhã,será que acordam para o país?




sei que é um espectáculo ter o mar aos meus pés.




7/03/2004

o que é um frigorífico
( parte primeira )



o frigorífico é o electrodoméstico mais zen de uma casa.está sempre pronto a receber-nos e costuma reservar-nos sempre uma surpresa, agradável ou não.
a sua compleição é forte,elegante e distinta.geralmente opta por linhas minimalistas ,socorrendo-se de uma paleta cromática que costuma variar entre os 7647 opções de branco.
por norma pouco ruidoso,a sua aparente bonomia só é interrompida por preocupações ecológicas mais ortodoxas.
abrir o frigorífico poderá ser ,nos desispiritualizados dias de hoje, o mais próximo equivalente de uma experiência religiosa.
um frigorífico é um electrodoméstcio, mas também uma categoria estética e moral .
solitário trabalhador , incansável nos turnos diurnos ou diurnos,pode revelar-se o mais fiel amigo do homem,abrigando desejos e caprichos,sendo cúmplice de segredos impartilháveis,guardados reconditamente.

nas casas amigas, o melhor retrato é o frigorífico familiar.nas mãos que abrem o gigante branco da cozinha , desdobra-se uma personalidade inteira,irredutível.a psicanálise do futuro passará ,inevitavelmente, pela categorização das relações do eu com a entidade frigorífica.

não faz muitos meses faleceu-me o frigorífico precendente.um alemão robusto , funcional e algo dado à especulação metafísica.sucedeu-lhe um francês rechonchudo e jovial,de personalidade levemente mais ruidosa,de tendência suspirosa, o que nos levou a inscrevê-lo numa opus gay frigorífica.acolhe simpaticamente a minha paleta de queijos franceses e revela preferência por verduras e frutas.
o pobre alemão jaz agora numa qualquer sucata nacional,sombriamente ferrugento e destituído do seu si.

( to be continued)
bondades suspeitas


o meu pc tá tão quietinho,veloz,tão obediente,diria mesmo eficaz e cumpridor ,até dá medo...
serão as forças renovadoras?
inventário de uso estético-improdutivo de objectos descontextualizadamente fetichizados

antes de tudo frigoríficos.
depois guindastes.
bicicletas também, muitas bicicletas.
betoneiras.
sapatos sem par.
rádios velhinhos de pilhas com antena.
lápis chineses com borrachinha no topo .
fechaduras.
fitas métricas amarelas.
gaiolas vazias.
afias metálicas.
aãhnã?

em ficção alheia acabo de ser transmutada em bacalhau atómico!
nebia e o peixinho dourado





era uma vez uma menina de tranças que queria partir para o país dos cangurus.a todos que por ela passavam ela perguntava:
_conheces o caminho para o país dos cangurus ?
mas todos lhe falavam da estranheza de tais terras,lá no outro lado do mundo , onde havia surfistas a cair de ondas que rebentavam no céu e desertos tão grandes e imensos que ninguém os havia calcorreado de ponta- a -ponta.
a menina nébia ficava desapontada, mas não deixava de sonhar com a sua chegada triunfal ao país dos cangurus.certa vez,quando era ainda tão criança que nem sequer fazia letras no papel, alguém lhe tinha falado que o verão nascia na autrália.
nébia quer ir lá só para ver o verão nascer.
agora perguntam-me vocês onde entra o peixinho dourado?essa é a parte complicada da história...
faz já muitos dias que nébia anda confinada ao silêncio bloguístico e ocorreu-nos certa imagem mental, de surreal inspiração , difícil de verbalizar.
no entanto , eu tenho para mim , que enquanto não se arma de bagagens e vai catar o verão para as bandas australianas,nébia engoliu de um mui grande soluço o silêncio de klee, na pintura do peixinho .
é que para mim , aquele peixe é o próprio silêncio .proponho mesmo a categoriza~ção da tela como a mais silenciosa da pictórica moderna.eu sei , seu sei , tenho de parar com estes exageros sinestésicos.
aventuras semióticas de videoclube


entre muitas outras que ficaram por registar, à falta de bloco de apontamentos,recordo que o filme iris está classificado como aventura, enquanto que o deliciosamente leve sabrina de billy wilder passa à categoria de drama.
vou propor a elevação de conan a comédia musical.

sintaxe de café matinal

a coisa mais difícil de um dia pode ser chegar a uma certeza.
os primeiros acordes da manhã



Joana francesa


Chico Buarque/1973
(Para o filme Joana Francesa de Cacá Diegues)





Tu ris, tu mens trop
Tu pleures, tu meurs trop
Tu as le tropique
Dans le sang et sur la peau
Geme de loucura e de torpor
Já é madrugada
Acorda, acorda, acorda, acorda, acorda

Mata-me de rir
Fala-me de amor
Songes et mensonges
Sei de longe e sei de cor
Geme de prazer e de pavor
Já é madrugada
Acorda, acorda, acorda, acorda, acorda


Vem molhar meu colo
Vou te consolar
Vem, mulato mole
Dançar dans mes bras
Vem, moleque me dizer
Onde é que está
Ton soleil, ta braise


Quem me enfeitiçou
O mar, marée, bateau
Tu as le parfum
De la cachaça e de suor
Geme de preguiça e de calor
Já é madrugada
Acorda, acorda, acorda, acorda, acorda