<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5890420\x26blogName\x3dtorneiras+de+freud\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://torneirasdefreud.blogspot.com/\x26vt\x3d6977037342804099436', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

5/31/2004

divos,musos e ídolos

( parte dois,sim,sim,já foi a vez do morrissey !)


d.d.d.bonnie"prince"billy


Vinha com as mãos sujas de noite
E um coração animal
a lembrar um cavalo gemendo .
Quando me perguntou onde pousar os lábios
Dei-lhe os pássaros que agulhas muito altas sustinham
E assim ficámos
entre o rosto e o vazio
Num sereno medo de dizer adeus.
elliot smith



everything means nothing to me


someone found the future as a statue in a fountain at
attention looking backward in a pool of water wishes with
a blue songbird on his shoulder who keeps singing over everything
everything means nothing to me
everything means nothing to me
everything means nothing to me
i picked up the song and found my picture in the paper the
reflection in the water showed an iron man still trying to
salute people from a time when he was everything he's supposed to be
everything means nothing to me
everything means nothing to me
everything means nothing to me
everything means nothing to me

viciei-me nesta música.é cruel demais e a letra é soberba.

5/30/2004

The slow drug

vai parecer uma obsessão. é uma quase obsessão a música da Polly Jean Harvey, para mim. desde de muito cedo que acompanho o trabalho dela. e não há maneira de eu deixar de gostar ou de gostar menos. ela é uma artista que faz música, que compõe, que toca quase todos os instrumentos dos seus álbuns,..ela não está para brincadeiras. ela respira música, rasga guitarras , toca com todas a vísceras, escreve poesia como respiração.

amanhã estará à venda o novo álbum. já ouvi (aqui neste site dinamarquês. pick luisterpaal na barra do menu) e adorei o todo.
há uma faixa que é para todos os que amam o mar. 13.


aha ,aha!está tanta coisinha explicada na minha vida!olé!



animal jpeg
You are Animal.
You are completely nuts, but fun to be around.

SPECIAL TALENTS:
Drums, Women, Food.
HOBBIES:
Drums, Women, Food.

FAVORITE EXPRESSIONS:
"Louder!", "Food now!" and
"Want Woman!"

LAST BOOK EATEN:
"The Musicians' Guide to Drums, Women &
Food"

NEVER LEAVES HOME WITHOUT:
An appetite.


What Muppet are you?
brought to you by Quizilla

5/28/2004

quando escrevo mar
o mar todo entra pela janela

al berto
Isto

se o jojó não aparece para colocar ordem ao blog, acho que por minha parte, vai ficar muiiiiitooo zen. e nao acho boa ideia.

conselho que a Xis nunca deu, será dado em primeira mão pelas Torneiras de Freud, faça jejum de pensamento. não pense em nada.
queria o sol como a minha cocaína. mas para lá do pensamento é um céu vazio.
quase no fim,

ainda antes de deixar o orkut, talvez ainda vá criar mais duas comunidades. "viva a catarse!" que terá o objectivo de dizer tudo o que uma pessoa pensa no nomento. aqui-agora-pensamento. e "pára-me de repente o pensamento" que será sobre os pré-pensamentos. ou seja, em conclusão, mais inutilidades, mais palavras. descobri que o orkut é também um vício para muitos blogueiros, em especial para os blogueiros brasileiros. no meu caso, é uma droga leve a perder o seu efeito. completamente a perder.

5/27/2004

explicar con palabras de este mundo
que partió de mí un barco llevándome


alejandra pizarnik
pequenas coisas

salvação (sem o sentido religioso) é somente, para mim, uma palavra. não passa disso. não tem carne, alma; tem oito letras, vários significados e significante, etc como muitas palavras.
acho que há pessoas que tentam de qualquer modo salvar o seu dia com qualquer coisa. um olá, um beijo, uma carta, uma lembrança, um almoço, uma ida ao teatro, cinema, etc, um abraço, uma lembrança, um e-mail, um telefonema, etc etc qualquer coisa para quem dá valor aos pequenos prazeres.
ontem o que me salvou foi a voz da edith piaf. hoje foi uma frase do livro que comprei hoje. amanhã não faço a mínima.


se calhar, é esta a minha salvação.
folhas secas

para mim, o que há de bom em ter um blogue é que posso chegar aqui e escrever somente. o que há de mau é que se perdeu, ou pouco a pouco perde-se, a oralidade de se contar uma história à um amigo. agora uma pessoa escreve uma história, qualquer coisa, tão simplesmente como juntar letras numa palavra.

ontem um amigo contou-me uma história, juntando às muitas que já me contou, por causa de uma coisa que já não sei bem o quê. a célula da história é mais ou menos esta: um homem oferecia folhas secas às pessoas e ninguém queria .o que guardei para mim da história é que pouca gente dá atenção à uma folha seca.
aula de geografia na janela

vinha eu a falar mal dos blogues, ou seja, da inutilidade que é muitas vezes. porém há algumas vezes que vale a pena ter conhecimento da existência de um blogue e ir lá parar , ou melhor, chegar lá por desvio. eu já sou fã das aulas de henri michaux na janela indiscreta. mas a aula de hoje é a minha favorita. adorei.
CAt on the wall

Turn up the radio

They play the radio in my dreams
Takes me back to when I was 17
Dancing in circles on the kitchen floor
I'll play this song 'til I can't take anymore

P.J. Harvey
Uh Huh Her

Pode se ouvir o single e ver o video "The letter". aqui.
Já falta pouco, muito pouco.
Vai ser muito emocionante ver o Bob Dylan e a P.J Harvey a partilhar o mesmo palco, na mesma noite.


Hoje o site oficial da queen do rock confirmou. P.J Harvey vai estar no Festival Vilar de Mouros no dia 18 de Julho.
Que bom!!
Eu não sou fã da leitura


cheguei há pouco da feira do livro e trouxe somente um livro. aquele que eu queria mesmo comprar sem hesitações.
"folhas caem, um novo rebento / falling leaves, a shooting sprout"
de Hôgen Yamahata. Já agora é o livro do dia no stand da Assírio & Alvim.

What a death! What a chance! What a surprise!
My will has chosen life!?


nestes últimos dias só me ocorre um pensamento obsessivo fixo na minha cabeça. e tudo se deve ao meu lufa-lufa pelos canais de tv, a ver se algum canal me surpreendia com alguma coisa ( pois, trash-lixo..ou.. vou fazer da minha tv, um aquário ...) até que parei num video de uma música com muitos sintentizadores (não sei se a cantora respirou ou era a máquina só a pulsar ). onde parei com comando, ela estava em cima de uns rochedos altos de frente para o mar, até que dá dois passos e cai no mar como um prego. e depois é filmado o impacto do corpo dela na água.o meu pensamento fixou-se no impacto na água. daquela altura para aquela profundidade. depois lembrei me de uma cena quase final do filme "The piano" de Jane campion, em que a protagonista principal estava num barco com outros e com o seu piano, até que houve um problema no barco e foi necessário que ela libertasse do piano. ela nao conseguiu despreender se do piano e prendeu seu ao tornozelo uma corda do piano, o que fez com ela fosse junto . dentro do mar, ela tomou a decisão, prevaleceu a vontade dela...
en esta noche en este mundo


si digo agua ¿beberé?
si digo pan ¿comeré?

alejandra pizarnik
(fragmento de En esta noche, en este mundo )

5/26/2004

dia bom,momento de ouro

claudio arrau toca-me chopin.não há mal algum em mim se cruze.schhhhh
o que sobra do impossível é a memória


não sei que artes rasgaram o peito
mas havia muito vento
e as vozes fechadas por anos no escuro
saíam procurando a casa
os olhos,o primeiro inverno.

acabaram as fugas,os ossos a brilhar no escuro ,ouço-te dizer,
e rio , rio muito
descosendo de mim o pulmão e as aves.

lembro-te em duas linhas
e és tudo que já encontrei .
dos meus olhos súbitos vejo-te cair
dobrando o espanto
permitindo o arsénico na madrugada.

fora de ti os olhos doem muito.

fico quieta,muito silente
com um barco a doer-me nos dentes
e assim esqueço o primeiro dia que me cegaste
para esconder o chão onde caíamos.


depois de nós seremos vento

doem -me os rostos sós que avisto ,passando incognitamente,como se fossem o meu peito a fechar-se no escuro.
iluminação errada

era sábado , perto das nove horas, e no comboio que partia de s.bento todas as pessoas naquela carruagem seguiam sós.
nos meus phones a música está alta porque não quero atentar na arrastada melancolia dos rostos.
elliot smith repete no refrão « you´re just somebody that i used to know».ouço e penso se o que trago no peito é mudez ou medo de saber que todas as palavras já nos falharam.
saio em espinho.os demais seguem ,sós,e a luz não deixa desmentir a solidão levando-os .
certo dia ,ele ficou sentado na praia e não mais falou

«faz tempo que me aquietei
vendo as ondas
e esperando chegar o meu cadáver»

5/25/2004

onde começa a máscara e acaba o rosto?



quando dizem o meu nome e me chamam, muda-se o rosto que dou à terra?
estaremos sempre desajustados?estarei sempre desajustada,como uma cidade inventada?em criança coleccionava mapase nesses mapas que meofereciam gostava de inventar cidades.sempre assinalei a verde as cidades que não existiam.
acho que também o meu rosto se inventou para fora.lá dentro ficou um poço tão profundo que me vejo a cair sem fim.
uma das expressões de língua que mais amo é «estar virado do avesso ».ana cristina césar diz que virar do avesso é uma experiência mortal.
mas eu poderia jurar que lá longe ,em certa hora incógnita,poderia eu ter visto o meu rosto no seu avesso . rosto que ninguém nomeou e onde pousarei meus últimos olhos.
crime e castigo aos onze anos de idade




_Professora , posso copiar no teste?
-Não .
-Se eu copiar ...e a professora descobrir o que acontece?
-Estás a pensar fazê-lo?
-Hummm.. Primeiro queria primeiro saber exactamente os riscos que corro ,setora.
conspirações domésticas

um rato que funciona apenas à facada.
uma torradeira em auto-combustão.
sofás migratórios ( sim, eu juro , os sofás aqui em casa sofrem de migração compulsiva e deslocam-se na minha ausência)
persianas deprimidas que se recusam a ver a luz do dia



a minha casa está a elaborar um plano secretíssimo para me afastar ...a casa odeia-me eu deprimo-me e o rato não colabora , facada nele!


p.s não consigo fazer boldo no título por causa do rato !grgrgrg!

5/24/2004



curiosa e ansiosa para que chegue logo "2046"
metas,balizas, arames e megalomanias( seguido de crónica desportiva)

descobri qual a minha nova neurose:megalomania, já escolhi .depois que o quartzo falou de um milhão para as torneiras ( a minha vénia ) e que o senhor rui almeida reiterou pedido , minha alma sucumbe ,senhores !
pois agora já nada mais almejo senão os seis milhões ,sim , os mesmos seis que ,ao que rezam as mais preclaras crónicas desse Portugal intemporal ,constituem a família de águia ao peito.
imaginei -me calcorreando um relvado esmeradamente verde ,aplaudida por fãs de bigodes endoidecidos enquanto era açoitada por intermináveis flashes.a baliza era a meta que só eu alcançaria. dois semiotas e um pós estruturalista eram os meus mais que temidos adversários.mas uma finta executada com um oximoro de perícia imbatível dá-me o comando da acção .só faltava enfrentar o temível guarda -redes, o exímio conhecedor de poesia europeia do pós -guerra, implacável com exigidades hermenêuticas.
o momento era aquele.nenhum de nós podia falhar .os nossos olhos enfrentam-se,mas avanço destemidamente e pontapeteio a mais inalcançável das metáforas!

nas bancadas há comoção generalizada .entoa-se o hino .as televisões interrompem a programação para directos especiais.em entrevista perguntam-me se a mística dos seis milhões me foi benéfica.
verto duas furtivas lágrimas e confirmo gestualmente.

5/23/2004

Palma de Ouro



a música mais poderosa que ouvi nestes tempos chama-se radio baghdad. e é do novo álbum de Patti Smith, trampin.

radio baghdad

Suffer not
Your neighbor's affliction
Suffer not
Your neighbor's paralysis
But extend your hand
Extend your hand
Lest you vanish in the city
And be but a trace
Just a vanished ghost
And your legacy
All the things you knew
Science, mathematics, thought
Severely weakened
Like irrigation systems
In the tired veins forming
From the Tigris and Euphrates
In the realm of peace
All the world revolved
All the world revolved
Around a perfect circle
City of Baghdad
City of scholars
Empirical humble
Center of the world
City in ashes
City of Baghdad
City of Baghdad
Abrasive aloof

Oh, in Mesopotamia
Aloofness ran deep
Deep in the veins of
the great rivers
That form the base
Of Eden
And the tree
The tree of knowledge
Held up its arms
To the sky
All the branches of knowledge
All the branches of knowledge
Cradling
Cradling
Civilization
In the realm of peace
All the world revolved
Around a perfect circle
Oh Baghdad
Center of the world
City of ashes
With its great mosques
Erupting from the mouth of god
Rising from the ashes like
a speckled bird
Splayed against the mosaic sky
Oh, clouds around
We created the zero
But we mean nothing to you

You would believe
That we are just some mystical tale
We are just a swollen belly
That gave birth to Sinbad, Scheherazade
We gave birth
Oh, oh, to the zero
The perfect number
We invented the zero
And we mean nothing to you
Our children run through
the streets
And you sent your flames
Your shooting stars
Shock and awe
Shock and awe
Like some, some
Imagined warrior production
Twenty-first century
No chivalry involved
No Bushido

Oh, the code of the West
Long gone
Never been
Where does it lie?
You came, you came
Through the west
Annihilated a people
And you come to us
But we are older than you
You come you wanna
You wanna come and
rob the cradle
Of civilization
And you read yet you read
You read Genesis
You read of the tree
You read of the tree
Beget by god
That raised its branches into the sky
Every branch of knowledge
Of the cradle of civilization

Of the banks of the Tigris
and the Euphrates
Oh, in Mesopotamia
Aloofness ran deep
The face of Eve turning
What sky did she see
What garden beneath her feet
The one you drill
You drill
Pulling the blood of the earth
Little droplets of oil for bracelets
Little jewels
Sapphires
You make bracelets
Round your own world
We are weeping tears
Rubies
We offer them to you
We are just
Your Arabian nightmare
We invented the zero
But we mean nothing to you
Your Arabian nightmare

City of stars
City of scholarship
Science
City of ideas
City of light
City
City of ashes
That the great Caliph
Walked through
His naked feet formed a circle
And they built a city
A perfect city of Baghdad

In the realm of peace
And all the world revolved
And they invented
And they mean nothing to you
Nothing to you
Nothing

Go to sleep
Go to sleep my child
Go to sleep
And I'll sing you a lullaby
A lullaby for our city
A lullaby of Baghdad
Go to sleep
Sleep my child
Sleep
Sleep
Sleep
Run
Run
Run
Run

You sent your lights
Your bombs
You sent them down on our city
Shock and awe
Like some crazy t.v. show

They're robbing the cradle
of civilization
They're robbing the cradle
of civilization
They're robbing the cradle
of civilization

Suffer not
The paralysis of your neighbor
Suffer not
But extend your hand


Patti Smith / Oliver Ray
enquanto a ale não cria a sua próxima comunidade em orkut, prendas de casamento...,

vou dando a minha primeira dica: picador de gelo
"language is a virus " William S. Burroughs

orkut is a virus. me myself
run, run, run

é a minha comunidade em orkut com mais actividade, com um fórum muito vivo. um dos tópicos, para além de "qual é o correr mais bonito do cinema" e outros mais, é "quem canta run, run, run".
por mais que passe a pente fino a minha memória de letras de música, nao me lembro onde tom waits cante run, ... só vejo mesmo run em dRUNk.
orkut , input ou ut internet poiesis

alguém me convidou para fazer parte de uma comunidade on-line.
o meu espírito solipsista com laivos de fobia social renitiu ,mas lá acabou por se afiliar a umacomunidade chamada orkut , sigla de significado oculto .
dois dias depois cansava-me eu da dita , quando percebo em nebia alguns sintomas do que pode ser descrito como orkutmania em penúltimo grau.

entretanto , e por ter sido abandonado por amigos e familiares que agora apenas falam em orkutês( já tenho três fãs ,vi-te na comunidade x and so on ) ,acabei qual orfã pródiga por retornar aos obscuros domínios orkutianos.
descubro que também eu tenho fãs, e em dia de palma douro enterneço-me.depois,eis senão qual não é o meu espanto quando me descubro viciada na criação de comunidades.
eis algumas : odeio pombas, comunidade das onomatopeias( o recurso expressivo mais discriminado na história da retórica) ,a comunidade je suis madame bovary e a mui ilustre comunidade intitulada « ai do poeta,coitado».a

nossa nebia já deixou também o seu nome no passeio da fama orkutiano fundando a muito apreciada comunidade book of illusions e aquela que tem a minha preferência absoluta : run , run , run.
o orkut é assim: inutilmente fútil, uma perda de tempo ...algo assim como um ...como um blogue...talvez mais inútil ainda que um blogue.mas como já tantas vezes sustentei e repito :viva a inutilidade!

orkut is alive !

5/21/2004

Travelall




The Black Light


Leave the heart of the city
For the heart of the world
Leave the heart of this city
Love the way her trust unfurls

Follow her hand to the dark end of the street
Cross in the night, invisible to the electric eye
Sippin' on a little Night Train
Slippin' in to the car to stay warm
Keep moving, keep moving
Sleep by day, move at night

Keep moving
Follow her hand to the dark end of the street
Cross in the night

Become invisible in a blink of an eye
Out past the border patrol
Who's thunderbird's no match
A helicopter shadow follows you
Way out past the downtown city glow
Cross the Santa Cruz and I-10
Past the cancerous sprawl into fields of thorn

Through the Rincon Mountains and Cochise
Stronghold South of the Chiricahuas
Drifting and drifting...


Calexico



curiosidade

Marguerite Duras tinha o hábito de entrar numa sala de cinema e ver durante dois minutos um filme qualquer. no fim do dia dizia que a sua jornada fora emocionante porque viu uma mulher a chorar, um casal a fazer amor e um homem a morrer,etc.
passagem

É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Ou pelo menos o que me faz agir não é o que eu sinto mas o que eu digo.

Clarice Lispector, Perto do Coração Selvagem,

alice , e que dizes do "Perto do Coração Selvagem" ?
aposto que grifaste esta passagem. não dá para passar sem marcar por baixo, um lápis.
fur alice


qual a palavra que te encontrará menos despedaçada?é essa que te deixo...

5/20/2004

neuroses

depois de múltipla personalidade, só me faltava mesmo a neurose do duplo post...
quantas agulhas cosem um coração ?



o meu tem uma bainha descaída ...
quantas agulhas cosem um coração ?



o meu tem uma bainha descaída ...

5/18/2004

"[...], e bem sei que cada dia é um dia roubado da morte. Eu não sou um intelectual, escrevo com o corpo. E o que escrevo é uma névoa húmida."

Clarice Lispector, A hora da Estrela, pp.19
"Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever"

Clarice Lispector, A hora da estrela, pp.13
ingredientes de uma storyline (de um filme que fiz na cabeça em slow motion e com muitas imagens em freezing, a partir de uma pergunta.)ou o peso da palavra numa storyline

-sopro
-México
-mulher (que acorda a sentir que a sua respiração não é a sua, mas de alguém que sonhara..)
-carro (a perder de vista em estradas que não findam)
-cds da p j harvey, tori amos, lhasa
-mar
-morte
...


depois de tudo o que ocultei na minha storyline patética (eheh), pensei em imagens mais imensas. como tivesse a ver nuvens intactas no retrovisor de um carro e deixasse um céu sujo no volante.....agora onde ficou e quanto ficou a história oculta do filme? só mesmo vendo em imagens...



Curiosidade

Buñuel tentou por 8 vezes adoptar o livro Debaixo do Vulcão de Malcolm Lowry, e não ficou suficientemnte satisfeito com nenhuma delas de forma a abordar o filme.


quando a árvore não é inventada

Num árvore genealógica, há galhinhos para os parentes todos, e por que razão não para os amigos?
talvez num futuro futuro eu seja um galhinho numa árvore genealógica de alguém que nunca conhecerei. se no futuro futuro, ainda haja tempo para celebrar a memória, acredito que seja mais do que um galho num árvore dessa espécie, mas vento, somente vento de quem chegou, passou e foi, embora,..
madame, oui c´est moi !


desde que jojó se ausentou para uma novela gabardinesca e vavá está na tailândia ,num curso de meditação modelada experimental ,madame quedou-se como a mais abandonada entre as personagens ficcionais portuguesas.
entre a escolha de capelline a usar na boda de felipe e letizia e dois kinder delice ( hábito que lhe ficou de um momento menos bom de sua vida) ,madama verte uma´lágrima furtiva e impacienta-se.

a autora preocupada com o vazio existencial de suapersonagem,dignou-se procurar umamelhor estratégia narrativa à sua personagem .

_ não é possível criar personagens e depois abandoná-las ,só porque recomeçou o verão ,terá dito a emocionada autora à liga protectora de personagens .
madame, oui c´est moi !


desde que jojó se ausentou para uma novela gabardinesca e vavá está na tailândia ,num curso de meditação modelada experimental ,madame quedou-se como a mais abandonada entre as personagens ficcionais portuguesas.
entre a escolha de capelline a usar na boda de felipe e letizia e dois kinder delice ( hábito que lhe ficou de um momento menos bom de sua vida) ,madama verte uma´lágrima furtiva e impacienta-se.

a autora preocupada com o vazio existencial de suapersonagem,dignou-se procurar umamelhor estratégia narrativa à sua personagem .

_ não é possível criar personagens e depois abandoná-las ,só porque recomeçou o verão ,terá dito a emocionada autora à liga protectora de personagens .
proustiana sem puxadores de porta

( pour f.)


o calor recomeça e quero ficar numa tarde que existe para sempre.
nessa tarde sentávamos na areia e o mar era tão azul que o recordamos inverosímel.havia música ,também.
houve muitos abraços ,aquele ano.sei que tenho parte da minha história na tua pele e jamais me despedirei de quem não me ausento.
crenças e apóstolos


a minha mais elevada crença é nos meus amigos e seria um entre eles quem eu escolheria para me fechar os olhos , la derniére fois .

um dos meus amigos vê-me através dos olhos,onde eu não me vejo.

lembrei de outro amigo hoje,repetindo-me que eu teria histórias para contar.
that´s how it goes ,hey ?
in memoriam


DANIEL


Hoje recebi um desenho de um aluno .
ele fê-lo durante a aula e ofereceu-mo no fim. o meu aluno chama-se daniel e tem um dos mais entregues sorrisos de criança que vi.
no desenho que me ofereceu o arco-íris está na terra e há peixes que atravessam o céu acompanhados de flores coloridas.
.no topo da folha está desenhado um anjo azul .
O Daniel não saberá ,mas o meu coração decidiu que aquele anjo será o meu ícone pela vida afora.


( amanhã levo-lhe desenhos do chagall )


Gustavo


O Gustavo tem dez anos e sabe tudo sobre Cruzadas e Peste Negra.Na turma é o rapaz mais pretendido e o que recebe mais pedidos de namoro .
Ontem ,o Gustavo não veio à aula porque tinha tido um acidente ,assim me disseram.
Hoje fiquei a saber que, na verdade , o Gustavo tinha deslocado a cana do nariz ao defender a mãe dos arroubos de violência do pai .



Fabiana

Tem uma dulcíssima voz e escreve no caderno com canetas de cores tão inverosímeis que parecem mágicas.
Nas últimas semanas tem faltado com frequência por causa de exames médicos que requerem internamento .
A Fabiana tem um problema de incapacidade pulmonar ,cuja origem não está esclarecida. Fez onze anos a semana passada.


divãs ,divas e divagações


( é só um título )


apeteceu-me inventar uma biblioteca inteira só de títulos.

no outro dia quis uma biblioteca apenas de epígrafes .

talvez amanhã ache importante uma que contenha apenas índices .

( o que tenho a certeza é que balbuciar , fazer muito ruído , fazer de conta que , espremer os dedos pelas letras me faz descontruir hipóteses muito viáveis de insanidade.)
teorias 2


existencialismo é a insónia deitada na pele?
teorização


estruturalismo pode ser a feliz arte de atravessar paisagens?
Ein kein manifestum


Sobre os detritos do real deito as sombras do que não existirá jamais
e pouco me importam as lições
os ensinamentos
as tragédias alheias .
tudo que foi escrito e pintado é somente tudo que existe .
isso e este corpo onde me deito
este corpo que encontra no espelho .
este corpo-matéria
máquina- veículo que me acarreta a morte.

um corpo a desmentir o que sou .

acreditamos no espírito porque o engendrámos.
inventei-me e por isso me pertenço ,irrevogavelmente .
e sou o caçador, sou o inventor , tenho as memórias que quiser ter .
sou quem me fará morrer porque eu me nasci em mim
e nem eu sei onde findo.

além de homens e muitas mulheres tenho um animal cego dentro de mim
não lhe sei o nome e nem o dia da sua criação
ele aconteceu como uma dor inevitável .
escolho o que não é indiferença
e sinto repulsa pelos letárgicos, pelos duvidosos ,por todos os cobardes .
tenho cores por inventar , e o céu que existe ,
o único céu que existe, é o que trago dentro das unhas.

nunca mais me peçam o consolo .se não te serves ,inventa-te.
rasga a pupila. não conseguiste ver , pois não, o filme ?
mas tudo começa assim, rasgando a pupila.
self-iconoclastia.
só prestas para ver o que não se vê.
se o puderes , se o ousares
então talvez possas adiar o dia da tua morte .




tudo o que mais gosto na vida são impossibilidades


Cirlot amou toda a vida a mulher que jamais conheceu .

desidentidade ou desidério ?


madame bovary não era flaubert.
madame bovary sou eu .
não, ainda não sou ,mas quero ser.
arquitectura


ainda me estou a adaptar a esta nova casa do ser que o grande arquitecto me providenciou no blogger .
ai, ai este novo blogger relembra-me por que saímos das bandas sapísticas...


já afirmei que o maior ,mais vivo e importante sonho daminha vida é morar num hotel , no chelsea hotel ny , bien sur ,então acho que precisode um correlativo chelsea bloghotel .
fractal

Enquanto não me puder ver nas 43 mulheres e 8 homens que contenho ,então não me verei .
1 on-line


I was here.

a palavra absoluta

mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar mar


(não sei se é uma das palavras mais antigas ,mas na minha cabeça é antiga.)
no dia dos meus anos, agarrei no carro e fui perder estrada. quase rente à linha do mar, senti o ar de não ser cidade e ser domingo longe. como tivesse um relógio no fundo de um tanque....
Não sei como se apaga a sombra do que se lê e fere. e nem sei se é tão simples como abrir e fechar os olhos ou como ligar ou desligar a tomada. eu vejo de fora. o que sei é que a dor coube nos teus olhos. ...(apaguei tudo o que escrevi e os glutões do presto não conseguiram apagar a palavra esperança. )

5/13/2004

relato aos muitos minutos de insonia ( sem acentos , pois e um mac de ocasiao e mim nao ter paciencia para )


sao 5 31 .o ceu comeca a tingir-se de azul.ouco os primeiros passaros e tenho a impressao de nao estar numa cidade ,tal o silencio .ouco o mar tambem, o seu rumor .
fazia muito tempo que nao tinha insonia assim.
fazia muito tempo que nao via o dia amanhecer e lembrei quando dobrava as noites e as madrugadas para alcancar o presente que vivo .
se ficarmos muito quietinhos tambem o futuro nos encontra?

5/12/2004

post número 1024


os novos modelos da estação

a moda verão já está aí. depois do quartzo,vejo que o blogue Seta Despedida apresenta também o seu modelo.

a tradução de Rui Lage do poema White Nights de Paul Auster para português aqui, no Quartzo, Feldspato & Mica (com um visual mais fresco). e agora, em francês?

5/11/2004

músicas da última hora e com prolongamento
(música, que remédio santo!)

all along the watchtower de jimi hendrix
dishes dos pulp
girl, you have no faith in medicine dos white stripes
there there dos radiohead
australia dos manic street preachers
.......


enquanto ainda faltam alguns dias para 31, já no dia 17 sai o primeiro single "The letter" do novo álbum da P. J. Harvey (quem já ouvi diz que ela voltou aos bons tempos,mais próxima da sonoridade do "rid of me"). sim, sei que isto não é o clube de admiradores da Queen do Rock. de qualquer maneira, bem podia ser, em part-time. já agora, se fosse vive em Moscovo, pode ficar feliz, porque ela vai dar o seu primeiro concerto lá mesmo, neste verão. e portugal???????

5/09/2004

Maio: 31: novo álbum da P. J. Harvey



Who The Fuck


Who the fuck do you think you are
Get out of my hair
who the fuck do you think you are
Comin' round here
who the fuck who the fuck
who the fuck do you think you are

Get your comb out of there
combin' out my hair

I’m not like other girls
You can't straighten my curls
I’m not like other girls
You can't straighten my curls
No!

Who the fuck you tryin' to be
Get your dog away from me!
What the fuck you doing in there
Get your dirty fingers out of my hair

Who who who who
fuck fuck fuck you

I'm free, you'll see
I'm free, you'll see

P. J. Harvey
White Nights

No one here,
and the body says: whatever is said
is not to be said. But no one
is a body as well, and what the body says
is heard by no one
but you.

Snowfall and night. The repetition
of a murder
among the trees. The pen
moves across the earth: it no longer knows
what will happen, and the hand that holds it
has disappeared.

Nevertheless, it writes.
It writes: in the beginning,
among the trees, a body came walking
from the night. It writes:
the body's whiteness
is the color of earth. It is earth,
and the earth writes: everything
is the color of silence.

I am no longer here. I have never said
what you say
I have said. And yet, the body is a place
where nothing dies. And each night,
from the silence of the trees, you know
that my voice
comes walking toward you.



Paul Auster, Selected Poems, faber and faber, pág 29.







posts lindos de filmes de Godard só com a Zazie, vejam só na Janela Indiscreta!
as aventuras de jojó , ex -mordomo e poeta rocher , agora detective gabardinesco e poeta entediado de ocasião



jojó fechara os olhos lentamente,ao som longínquo do sax de sam , na rua .pelas frestas da persiana do escritório , entravam uns ténues raios de sol, alaranjando a atmosfera ,fazendo do pó acumulado uma onírica constelação de estrelas.
no colo de jojó um volume pesado.se a câmara se aproximasse poderíamos saber do que se trata , mas para já mantenhamos o mistério .
as pálpebras de jojó estão prestes a contornar o sono , quando umas pernas demoradas por umas sensualíssimas meias pretas fazem a sua entrada triunfal no escritório cubicular.
uma voz delicodece e murmurejante como um primaveril riacho desculpa-se pela interrupção .jojó sorri , quase voluptuosamente , e afirma nada haver a desculpar-se.
jojó convida a mulher a sentar-se , o que ela faz suavemente como o veludo de um vestido nunca usado antes.
o nome , começa por pedir jojó .a mulher despe com demora todas as sílabas do seu nome.helen lee.
helen lee , repete jojó , enquanto estende à mulher o lume que ela procura na carteira , sem encontrar .
o caso , pergunta jojó , ao mesmo tempo que coloca os seus olhos bem fundo nos olhos fugidios da mulher .
um desconhecido , começa ela a balbuciar , um desconhecido que me persegue ...saio de casa , e independentemente do local para onde me dirija há sempre um desconhecido que me oferece flores .começo a ficar assustada.
jojó sorri enquanto sorve o seu marlboro com vagar .
_que perfume usa ?
_não compreendo , diz a mulher , com uma evidente expres´são de surpresa no seu rosto .
_responda , por favor , é importante , replica jojó , cada vez mais confiante no seu sorriso .
_ impulse , responde a mulher inseguramente estupefacta.



_ caso resolvido .então não sabe?se um desconhecido lhe oferecer flores , isso é IMPULSE!
queria uma escrita sem gramática.
um grito não é um pronome, não é verbo, não é substantivo...


a escrita que é escrita não é a carne viva do que nós sentimos e pensamos. a escrita pode ter as peles que bem entendermos.
( grito bem audível das cinco horas , mesmo atrasado )



a escrita é uma máscara , não é um rosto .
extra !

( mais uma reportagem de a nossa revista


a revolução chegou ao audiovisual .depois das séries da bbc , agora é a vez das séries ctt abalarem o coração do mundo .
orgulho e preconceito relata-nos o arrebatador amor de uma funcionária sensível de balcão dos ctt , mas muito culta , por um rico funcionário da ups que finge não ser sensível , mas é muito culto .muito amor , muita intriga e vários carimbos postais depois, os dois casam-se e vivem felizes para sempre.
oliver twist , a estrear brevemente ,é a adaptação do romance de carlos diniz , vencedor do prémio juvenil de escrita dos ctt, relata-nos a vida de um menino que procura desesperadamente enviar um cartão dos ctt ao pai natal , mas fruto das injustiças e crueldades da lisboa contemporânea ,não o consegue fazer .
crime e castigo , adaptação de um romance russo de autoria desconhecida , fala-nos da inflamada paixão de um jovem estudante russo por um carteiro polaco na s.petersburgo do século XIX.
sindrome de hipermercado


patologia observada no blogue as torneiras de freud ,que corresponde a actividade intensa durante o período de latência dominical dos hipermercados nacionais.
patologia com indíces pouco elevados de malignidade, mas cujos indíces de contágio estão ainda por definir , apelando -se por tal para uma atitude sensata e conscenciosa , sobretudo idosos e crianças .
nos adultos em contacto prolongado com a patologia verificou-se especial excitabilidade e risos solitários,seguidos por uma intranquila melancolia , cujo diagnóstico pode ser facilmente confundido com a sindrome da personalidade ciclotimica.

as cenouras e paulo de carvalho devem ser evitados a todo o custo .
a nossa revista


colaboradores permanentes :

clotilde américo , operadora de telemarketing e pós-doutoranda pela universidade de yale , antiga colaboradora do jornal « a dica da semana » ,actualmente a exercer o cargo de coordenadora-geral do secretariado nacional dos intelectuais pró-cultura popular , vai colaborar na nossa revista com os seus ensaios relativos à cultura popular portuguesa.ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


laurindinha alves , referência incontornável do optimismo nacional , maratonista convicta e medalhada, candidata a vários globe awards e ao prémio nobel da física , colaborará com a coluna semanal de finanças e bolsas de valores .
ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


arménio, o trolha da areosa , legista incontronável da nossa praça ,o distinto professor universitário escreverá para a nossa revista uma coluna semanal sobre a política internacional , espaço de reflexão que se pretende incontornável e sem rotundas.ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


juju lalique,antiga frequentadora do intendente pina manique, na antiga capital do império , juju coordenará a equipa de moda e novas tendências da noite urbana.sua irmã , lili cristal d `arc ficará com as novas tendências da noite rural .
ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


miguel rafael gabriel ,adolescente sem curriculum , antigo xunga , pré-skater ,hipo surfista,pós rapper,contamino-hip-hop , ap mais jovem elemento da equipa caberá a análise das tendências adolescentes do momento, para dar resposta àquilo que todos os não -adolescentes querem saber sobre os ainda adolescentes .ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .



quim dos muros ,carteirista condenado,habitué da feira da ladra , será o nosso repórter de rua em permanência , com actualidades e novas tendências em vários domínios.
ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


nené do chinfrim , dono de roulotte musical na feira de espinho, fará a indispensável crónica musical de a nossa revista.terá como assistente destacado rosenburgo de alexandria, dj nas horas ocupadas e taxista nas vagas.
ocasionalmente fará a astrologia ou a culinária .


heliodoro jubileu alves monte dos burgos , semiota renomado , ex- estruturalista , ex -chomskiano , ex -adorniano , ex -existencialista , ex -deleuziano , e ex -mulher autora/ a do famoso livro : palavras e catástrofes da contemporaneidade ,deliciará os leitores de a nossa revista com as actualidades do mundo literário em geral.
ocasionalmente fará a astrologia , a culinária e as dicas de beleza corporal .








Fred

Fred era um dos pacientes mudos de Freud. Chegava sempre pontualmente ao seu consultório e limpava todos os gestos viciantes da sua profissão de actor antes de começar a contar vagorasamente os seus sonhos para dentro da gaveta esquerda da sua secretária. E Freud como guardador de silêncios, fechava os lá em segredo.
as musas de jojó


( reportagem especial de a nossa revista , a primeira revista em solo nacional ao des-serviço de portugal )

jojó ,esse imberbe ícone da tradição novelística portuguesa ,subverteu a verdadeira tradição do amante latino , popularizada pelo bardo ancião ,fundador da lírica nacional ,marco paulo , no renomado hino eu tenho dois amores , e instituiu a moda das três musas.
jojó, o herói da flaubertiana juventude, foi visto saindo de um local de duvidosa frequência nocturna ,acompanhado de três musas: marisol, maribel e marimar .
a famosa autora da famosa personagem não quis prestar declarações à nossa famosa revista .
recorde-se que não é a primeira vez que jojó revela atitudes independentistas e separatistas , relativamente à entidade sua produtora .
só o futuro dirá se jojó continuará como personagem ou se lançará a solo no mundo novelesco.
contactado o clube de fãs do herói nacional apurámos a opinião de clotilde américo, operadora de telemarketing e pós -doutoranda por yale :_ a atomização da personalidade , no contexto ficcional hodierno é uma contingência à qual ´jojó acaba de sucumbir.tal não interfere com a sua destreza ficcional , nem com a sua validação semiótica , acrescentando-se a aquilatada sintagmaticidade das opções conteudísticas que fazem da novela um caso especial no estudo da sua recepção .ingarden diria mesmo que PIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII



a nossa revista resolveu suspender por aqui a opinião de dona clotilde américo, considerando o conselho editorial que citações de roman ingarden poderiam ferir a susceptibilidade de alguns leitores .
O meu cão witt

o meu cão witt que tem dentro de si um gato e não é animado e gosta de ficar estendido no estendal da roupa a contemplar o betão do prédio à frente desapareceu assim do nada. há dias que lia em voz alta pela casa O Ensaio do Futuro e ele parecia feliz com o som da minha voz a dizer palavras lindas sobre o homem que aprendia o que era leveza, com o seu curso de poesia numa nave espacial. adiante. de manhã cedo, de ontem, vejo no estendal, suspenso, uma folha estranha com uma frase enigmática, assim :"também eu estou farto do futuro". prendi a folha com uma mola.
ela ficou a apanhar chuva, para ver se a apago do pensamento, como pode ser?
podem repetir comigo : tão lindo !







é o mambo !
muderno !


sabe o que é?
sabe quem é?
sabe como é?
não ?
entao saiba tudo aqui !
O Wort, du Wort das mir fehlt

algo estranho aconteceu , as minhas palavras entraram em total sonumbalismo, sem meios de serem acordadas. como eu tivesse uma voz que escreve adormecida e durante muitos dias fechada no corpo. algo estranho aconteceu depois, sonhei vários dias em alemão.
historieta



havia uma mulher
e essa mulher dormia
no poço da casa
mais velha da vila .

essa mulher
usava um pássaro na cabeça
e falava uma língua estranha .
ninguém entendia o que a mulher dizia
então as pessoas da vila
tiveram medo
e obrigaram a mulher a coser a boca.

foi então
que a mulher
aprendeu a falar com os olhos ,
mas as pessoas da vila
também não entendiam
e obrigaram a mulher a vendar os olhos.


passados muitos anos
a mulher morreu
mas não o pássaro que ela tinha na cabeça.
então ele veio para a vila
e com a voz da mulher
mas na língua da vila
a todos falou .

enquanto o pássaro falava
os telhados desabotoavam-se das casas
e os corações dos homens
desaguavam pela boca
muito liquidamente
até que na vila
houve só um poço , o silêncio
e um pássaro transparente-
recordações de infância


lembrei do joguinho que minha avó sempre fazia , iludências aparudem ...e de repente irritei-me.estou de mal com concretismos , experimentalismos , calembours , trocadilhos e afins .
esta irritação tem paragem em todas as estações e apeadeiros .
odeio

publicidade com joguinho linguístico , visando trocadilho de humor fácil e rapidamente reconhecido , como aqueles cartazes horrorosos apelando rock in frio, ou a praga televisiva do worten sempre.
grgrgrgrgrgr!!!!!!!!!!!
e depois do adeus


nunca tinha sonhado musicalmente , auditivamente ,e esta noite fui contemplada com a música do paulo de carvalho .
que fm avariado é este meu inconsciente ...
vou auto -inserir-me uma playlist com um certo padrão de qualidade , para futuras ocasiões.
coincidências alfabéticas


ele chama-se bernardo ,seu pai antónio e sua mãe alda.
o bernaado casou com a bárbara e tiveram dois filhos : o carlos e a daniela.
o carlos não teve filhos , mas a daniela casou com o fernando e tiveram três filhos: guilherme , hélder e inês.
o lugar onde eu estive é longe daqui ( foi isso que aconteceu .entendem?)



era uma vez o mundo mais devagar ou o mundo mais depressa , sem mais, perdidos na quântica impossibilidade da estrangeira angústia urbano-contemporaneo-ontológico-espirituais-urbano-decadentes -sem café da etiópia .

atrasamos , demoramos , retardamos , não marcamos passo , não avançamos , o sinal está vermelho ou exercemos uma especial daltonia do medo ?
onde cabe a nossa percepção se fechamos os sentidos ao nosso sentido?
sim, a palavra contorna-se ,
inventamos um silêncio que nos veste , que nos aperta , quase estrangula,
mas, sem saber, já a garganta se vai habituando à mão que diariamente a aperta .
então deixamos de.
então não fazemos de .
então já nem sabemos fingir , ocultar , insistir .
e então os caminhos que poderíamos repetir ,só com as retinas,de leve ,
ficam na dobra , no canto , na esquina ,
ficam na janela que esquecemos de abrir
ou na janela que já não sabemos em que casa deixámos
.os caminhos ou as vozes , os papéis , as imagens onde os espelhos acontecem ,
os gestos que faremos , tudo indistinto , sôfrego , latente , sonâmbulo .
sim , sonambulia .
não sei mais a cor dos objectos
sol , o sol ou o mar
ou o céu
os pássaros descontruindo o que não mais está
entre o que restou de mim.
onde?
a resposta estala e dói , mas não a sei dizer .
nem onde pousar o quase cansaço que por mim fala .




e foi isso .
agora estou a voltar , mas não acredito em regressos.

5/02/2004

as aventuras de jojó , ex -mordomo e poeta rocher , agora detective gabardinesco e poeta entediado de ocasião


( capítulo dedicado a marisol)


um nevoeiro estranho atravessara a cidade aquela noite , tornando os rostos semi -indefinidos.as luzes dos carros e dos prédios transformaram-se numa espécie de faróis urbanos.
mas nem por isso aquela zona da cidade se despovoara , a zona mais suja e decadente .mulheres encostadas às paredes, apenas corpos e palavras .alguns mendigos arrastando-se e uns quantos homens passeando o olhar , esperando , decidindo .
jojó surge , chapéu na cabeça , gabardine cinzenta , golas levantadas.atitude displicente,blasé,cigarro no canto dos lábios.
ele atravessa as ruas como pretexto para o seu alheamento .na sua memória a lembrança de lola, a misteriosa , sensual e inefável lola.
a mulher aparecera essa tarde no seu escritório , uma voz mais choroso do que seria na verdade , os olhos sempre cúbicos , o traçar lento das pernas, toda a encenção de uma fingida fragilidade feminina.
jojó pousou úm grosso volume de merleau-ponty na mesa e relampejou na mulher o seu olhar .um diálogo breve , um caso típico.a actualemente honeste e esposa lola estava a ser vítima da clássica chantagem de uma conhecida , conhecedora de um indesejável passado .um caso para duas semanas , pensou jojó .preço acertado , detalhes combinados e lola desparece , deixando para trás um rasto de perfume excessivamente doce e de bolero .
vogando agora pelas ruas sujas , jojó pensa em lola e medita sobra a fragilidade humana.ao longe avista sam , o saxofonista de rua.
_então sam , como correu o teu dia?
_o mundo , jojó , o mundo arruina-nos aos poucos , é como o trânsito jojó .não aguento mais , náo dá .
_sam...sei que já te deixaste disso há uns anos, mas pá , não queres ler um cioran ou , sei lá , um levinas , era capaz de te ajudar ...esta tarde usei um merleau-ponty dos bons ...
_jojó , isso vai ser a tua perdição .eu estou limpo há 8 meses e sete dias e assim vou continuar .
_ok, tu é que sabes.
_ e tu , vê lá se não arranjas compilacações com essas , com essas ilegalidades.
_nah , tudo sobre controlo .

entretanto ouve-se um grito rompendo a noite e o nevoeiro .jojó acorre prontamente.estendida no esfalto e já ropdeada por uma pequena multidão está uma bela mulher desfalecida ,cabelos negros e roupas mínimas desfalecida , garganta aberta .ouvem-se as primeiras sirenes.

jojó tira notas e observa a cena de longe.
já em casa confere as notas e resolve-se por uma investigação a conta própria na manhã seguinte.antes porém de adormecer enche um copo de jack daniells e apronta o papel na sua remington de 1938.esta noite jojó mergulhará uma vez mais no seu oscuro domínio .a poesia .encherá páginas de versos extensos ,cheios de tédio e caos urbano , vagabundos , mulheres fatais ,náuseas de poluição , mas tudo regado com sua erudição filosófica e desencanto existencial .
há muitos anos atrás jojó escreveria odes aos homens do shopping , mas jojó abriu novos horizontes e aí o temos noite afora , burilando versos na sua remingtin 1938.



extra-extra


jojó , o poeta e mordomo rocher , vai virar agente policial de gabardine cinzenta.agora entre uma lufada de cigarro , um scotch vagabundo e uma mulher em apuros , jojó escreverá odes pindáricas à desrazão da existência .
e madame , perguntarão os mais atentos ? o desaparecimento da personagem está a dar azo às mais fantasiosas especulações em terras de espanha , onde os novos episódios já estão a passar.sim , sim , depois do patrocínio kinder bueno é bom , jojó tornou-se um mordomo ibérico .
mais novidades em breve .
os dois depressivos

_ estou tão triste que não me apetece abrir as persianas...
_eu estou mais triste ainda, porque ainda nem me levantei .
_mas eu já tomei três ansiolíticos ao pequeno -almoço .
_pffff...eu sequer tomei pequeno-almoço.
_vamos reflectir sobre o sentido da existência!
_não quero , estou cansado .e não uses pontos de exclamação , deprimidos a sério não exclamam ...
_ o que vamos fazer , então?
_ vamos treinar a nossa depressão .e não faças tanta conversa.não é nada chic um deprimido tagarela.
ignoto patético

_sabes o que tens dentro dos olhos?
_não...
_o meu nome .o meu nome está dentro dos teus olhos, mas não mo podes dar .
_porquê?
_porque os teus olhos ficariam vazios .
a patologia da relva azul

emprestei os meus olhos e por isso ando afastada de mim , os olhos com que me olho e os que olham o mundo não me pertencem .
no entanto, a memória continua a ser a das imagens avistadas com os olhos que antes me pertenciam.os pássaros que lembro são dos poemas que li e não os que no céu eu bebia.
então instalou-se este desfasamento de avistar a relva azul.
daí que tenha tido que me afastar , dar-me conta de uma nova percepção , de uma ininteligibildade outra.olho-me agora de tão longe que não tenho conseguido cair dentro de mim ,nem para fora das coisas que antes eu atravessava.
ontem alguém me dizia de dentro de um livro eu respirava tão bem.ninguém pára a pensar na sua respiração , mas agora que tenho tanta dificuldade em respirar ,lembro com saudades quando isso era tão fácil que eu nem sabia escutar a minha respiração .
então agora vou sentar-me no mais branco canto de mim e ouvir -me respirar .
mesmo que os meus olhos de mim se tenham ausentado .
conspirações domésticas

tenho a mais que absoluta certeza que os garfos ,gentilmente acolhidos da orfandade em minhas acolhedoras gavetas, preparam uma rebelião doméstica.
ando com medo dos garfos como um czar dos bolcheviques e , em virtude do facto e da fobia aderi à gastronomia nipónica só para prescindir dos mui aguçados instrumentos.
o minha mais recente neurose trouxe-me à lembrança o impacto trazido aos pobres europeus aquando da introdução do invulgar instrumento .no wonder ...